Dor no corpo? Veja qual a melhor posição para dormir em cada caso

Um estudo do Instituto de Pesquisa e Orientação da Mente (Ipom) revelou que 69% dos brasileiros dormem mal. E muitas vezes, o que atrapalha o sono são dores preexistentes somadas à posição errada no colchão.

Reportagem: Ivonete Lucirio e Malia Jacobson/ Women’sHealth

Se você tem… Azia e Refluxo

Deite-se sobre o lado esquerdo.

“Assim, os órgãos internos exercem menos pressão sobre o esfíncter inferior do esôfago”, explica o especialista em sono Priyanka Yadav, do Life Center, em Nova Jersey, nos EUA. O esfíncter é a escotilha responsável por evitar que a acidez do estômago volte para a garganta. Se estiver pressionado, não se fecha direito – e lá vem azia. Os braços devem ficar à frente do corpo, com os joelhos um pouco dobrados. Manter a cabeça mais alta que os pés também é importante. Mas não se iluda aumentando a altura do travesseiro. “O tronco também precisa ficar em desnível. Uma dica é calçar os pés da cabeceira da cama para que fique mais elevada”, explica o gastro Mário Kondo, do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

Se você tem… Dores nas Costas

Deite-se de lado, com os joelhos flexionados e um travesseiro bem firme entre eles.

“Dessa forma, a musculatura é alongada e os espaços naturais existentes entre uma vértebra e outra são ampliados, aliviando a compressão sobre os nervos que passam na região e que provocam a sensação dolorosa”, explica o neurocirurgião Paulo Porto Melo, que é colaborador do Departamento de Neurocirurgia da Universidade de Saint Louis, nos EUA. Além disso, a coluna fica toda alinhada, evitando algum desequilíbrio. Os braços devem ficar relaxados à frente. Talvez tenha dificuldade em dormir assim da primeira vez, mas vale insistir.

Se você tem… Congestão Nasal

Deite-se de lado.

Sempre que estiver congestionada, por causa de alergia, sinusite ou resfriado, evite posicionar-se de costas, com a barriga para cima, porque você acabará ficando com a boca aberta e, pior, roncará que nem um caminhão. Sem contar que a cavidade bucal fica seca, provocando tosse. Deite-se de lado com um travesseiro extra para que a cabeça fique mais alta e deixe a gravidade fazer seu trabalho, puxando o muco para baixo, fora do nariz. Os braços vão necessitar de um suporte extra, o que é resolvido abraçando um travesseiro.

Se você tem… Dor nos Ombros

Deite-se de lado, na pose do “abraço”.

Não aconchegue o braço de baixo sob a cabeça quando estiver deitada de lado – isso espreme a rede de nervos entre ombro, braço e mão. “É como dormir com um peso de 10 kg sobre o ombro”, diz Robert S. Rosenberg, diretor médico do Centro de Distúrbios do Sono de Prescott Valley, no Arizona, nos EUA. “Se for dormir de lado, não apoie-se no ombro dolorido. Abrace um travesseiro macio para lhe dar suporte”, orienta o neurocirurgião Adriano Scaff, do Centro Especializado em Coluna e Dor, de Ribeirão Preto, no interior paulista. “Deitar-se de costas também é adequado.”

Se você tem… TPM e Cólica

Fique de barriga para cima, o mais esticada possível, mas com a parte traseira dos joelhos apoiada em uma almofada.

Os braços devem permanecer apoiados ao lado do corpo. Nada de enrolar-se feito uma bola na cama. Deitar-se de lado deixa um dos seios – já doloridos pela fase – sem apoio, aumentando o incômodo. E de barriga para baixo pressiona o útero, causando irritação e mais cólica ainda.

Se você… Range os Dentes

Deite-se de costas, rosto virado para cima.

O ranger noturno, ou bruxismo, afeta 8% dos adultos e pode ser uma condição genética ou resultado do estresse e da ansiedade. Dormir de costas evita que ocorra mais pressão nos ossos da face. “Também dá para deitar de lado, o que ajuda a reduzir o risco de apneia obstrutiva do sono”, diz o ortodontista Jorge Faber, de Brasília. “Mas é preciso encontrar uma posição que não pressione a mandíbula.”

Se você tem… Quadris Doloridos

Deite-se de costas.

Cerca de 15% das mulheres sofrem com bursite, uma inflamação articular nessa área. “Dormir sobre o lado machucado do quadril é o pior que se pode fazer”, diz Yadav. Mesmo quando se deita do lado oposto, o quadril pode ficar desalinhado, o que aumentará a dor. Por isso, a saída é repousar de costas, com a barriga para cima. Isso dá aos quadris uma folga do estresse que passa durante o dia, com o corpo em pé ou sentado. Uma almofada triangular sob os joelhos pode dar um suporte extra.

Se você tem… Torcicolo

Deite-se de costas.

Esqueça os travesseiros do tipo montanha ou panqueca ¬ altos ou baixo demais. A peça deve ter a altura do ombro. Assim, ao acomodar-se de lado, a coluna ficará totalmente alinhada. E, mesmo que esteja deitada de barriga para cima, ela continuará na linha. Com isso, os músculos ficam relaxados. Tenha em mente que o prazo de validade do acessório também vence. Isso varia em função do quanto a pessoa transpira. Mas ele deve ser trocado, no máximo, a cada dois anos.

Se você tem… Dores nos Joelhos

Deite-se de costas.

Mas, para que esse reposicionamento seja mais bem adaptado, identifique a causa da dor. “Se for inflamatória, coloque um travesseiro em forma de triângulo sob a parte traseira dos joelhos”, recomenda a fisioterapeuta Cristiane Guimarães, do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia, em São Paulo. Essa tática também é indicada para contraturas musculares. “No caso de dor vascular associada a edema nas pernas, o melhor é um apoio sob o calcanhar”, diz o ortopedista Luiz Alberto Nakao Iha, da Clínica Healthme, em São Paulo.

10 Coisas que Você Precisa Saber para Iniciar Bem o Ano

auto estima bem estar

Para começar bem o ano!

E está chegando o fim de ano e com ele muitas promessas para começar o ano, literalmente, com o pé direito. Qualidade de vida e alto astral precisam fazer parte da sua lista e para ajudar nessa hora de decisão, a SBEM criou de presente de natal, os “10 Coisas que Você Precisa Saber para Iniciar Bem o Ano”. Se você conseguir pelo menos um dos itens já é um ótimo sinal
Feliz 2014!

  1. Começar a fazer uma atividade física no dia 2 de janeiro, afinal dia 1 é feriado, certo?
  2. Resistir às tentações dos restaurantes a quilo e escolher alimentos bem saudáveis. Não esqueça de acrescentar uma fruta na sobremesa.
  3. Tentar não se estressar com assuntos que não merecem. Experimente dar uma nota sendo 1 para os que são sem importância e 10 para os que me merecem muita atenção. Se manter uma média 5 é um bom sinal.
  4. Lembrar de marcar minha consulta com o endocrinologista e ser sincero com ele.
  5. Curtir mais minha família e amigos e, com isso, aumentar os níveis de serotonina.
  6. Estar com a autoestima sempre em dia (e a saúde também!).
  7. Incluir alimentos ricos em gorduras (boas) no cardápio: salmão, azeite, frutas oleaginosas
  8. Olhe-se bem no espelho… você não é tão baixinho assim.
  9. Parar de bular a dieta pendurada na porta da geladeira, e não ligar para o disk pizza do lado
  10. Resistir o docinho depois do almoço de todos os dias.

 

Com foco e determinação você alcançará seu objetivo com sucesso.

 

 

Fonte: endocrino.org.br

Conheça mais sobre o colesterol e suas funções

emagrecer

Embora muitas pessoas achem o colesterol uma substância maléfica, ele é primordial para o funcionamento do corpo humano. Para isso, no entanto, seus níveis devem estar sempre controlados. Confira, abaixo, 10 Coisas que Você Precisa Saber sobre Colesterol:

  1. O colesterol é um tipo de gordura (lipídio) encontrado naturalmente em nosso organismo. Ele é fundamental para o funcionamento normal do organismo, sendo o componente estrutural das membranas celulares em todo nosso corpo. Ele está presente no cérebro, nervos, músculos, pele, fígado, intestinos e coração.
  2. O corpo humano utiliza o colesterol para produzir vários hormônios, vitamina D e ácidos biliares que ajudam na digestão das gorduras. Cerca de 70% do colesterol é fabricado pelo nosso próprio organismo, no fígado, enquanto que os outros 30% vêm da dieta.
  3. Existem dois tipos de colesterol. O HDL é chamado de “colesterol bom” pois forma uma classe de lipoproteínas que ajuda a carregar o colesterol do ateroma dentro da artérias, e transportá-lo de volta ao fígado para ser excretado. Já o LDL, chamado de “colesterol ruim”, transporta o colesterol de células que mais produzem do que usam, para as células que mais necessitam. É considerado ruim pela relação que existente do alto índice de LDL com doenças cardíacas.
  4. Quando em excesso (hipercolesterolemia), o colesterol pode se depositar nas paredes das artérias, que são os vasos que levam sangue para os órgãos e tecidos, determinando um processo conhecido com arteriosclerose. Se esse depósito ocorre nas artérias coronárias, pode ocorrer angina (dor no peito) e infarto do miocárdio. Se ocorre nas artérias cerebrais, pode provocar acidente vascular cerebral (derrame).
  5. Manter uma vida saudável, praticando exercícios físicos e evitando comer alimentos gordurosos ajuda a evitar o alto colesterol. Parar de fumar também é uma atitude que ajuda a neste controle.
  6. Gema de ovo, bacon ou toucinho, carne de frango com pele, torresmo, manteiga, creme de leite e nata, frituras, salsicha, salame e lingüiça e carnes de animais são os principais alimentos que contém uma significativa quantidade de colesterol.
  7. O aumento no nível de colesterol no sangue não costuma ter sintomas. Em casos excepcionais, aparecem os chamados xantomas, que são sinais decorrentes do acúmulo do colesterol na pele. Quando o aumento do colesterol atinge níveis muito altos, pode haver um aumento no fígado, no baço e sintomas de pancreatite.
  8. As taxas de colesterol apontadas em exames se referem à soma do bom colesterol (HDL) com o mau colesterol (LDL). Essa taxa é considerada boa quando está abaixo de 200, suspeita quando está entre 201 e 239 e elevada quando está acima de 240;
  9. Há três causas para a alteração do colesterol. A primeira é o fator genético, quando o indivíduo possui genes que determinam essa alteração. A segunda é a alimentação. Quem ingere alimentos gordurosos, com alto índice de colesterol, têm mais chances de sofrer com taxas altas. A última possível causa são doenças, como hipotireoidismo, diabetes e doenças nos rins.
  10. Para fazer uma dieta visando o controle do colesterol, prefira leite e iogurte desnatados, queijo branco fresco, ricota, “cottage”, queijos “light”, peixes, aves sem pele, carnes magras, inhame, macarrão, pães, bolachas de água e de água e sal, evitando sempre gordura em excesso. O tratamento das alterações do colesterol deve ser mantido por toda a vida. Tanto os cuidados com a alimentação e exercícios, como o uso de medicamentos, deverão ser empregados por tempo indeterminado.

 

Fonte: endocrino.org.br

10 Coisas que Você Precisa Saber Sobre Obesidade

alteração no peso

obesidade é uma doença crônica, que afeta um número elevado de pessoas por todo o mundo. Porém, opção por uma rotina alimentar saudável e a prática de exercícios físicospodem contribuir com a prevenção e tratamento. Confira abaixo as 10 Coisas que Você Precisa Saber sobre a Obesidade:

  1.  A obesidade é caracterizada pelo acúmulo de gordura corporal e pode acarretar graves problemas de saúde e levar até à morte. O Brasil tem cerca de 18 milhões de pessoas consideradas obesas. Somando o total de indivíduos acima do peso, o montante chega a 70 milhões, o dobro de há três décadas.
  2. Em muitos casos, a obesidade é diagnosticada através do cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC). Ele é feito da seguinte forma: divide-se o peso do paciente pela sua altura elevada ao quadrado. De acordo com o padrão utilizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), quando o resultado fica entre 18,5 e 24,9, o peso é considerado normal. Entre 25,0 e 29,9, sobrepeso, e acima deste valor, a pessoa é considerada obesa.
  3. Existem três tipos de definições quando uma pessoa está acima do peso. O sobrepeso é quando há mais gordura no corpo do que o ideal para uma vida saudável. A obesidade se dá quando o acúmulo de gordura é muito acima do normal, podendo gerar até problemas graves de saúde. A obesidade mórbida é quando o valor do IMC ultrapassa 40. Nesse caso, médicos podem recomendar até cirurgias como tentativa de reverter a situação.
  4. A obesidade é fator de risco para uma série de doenças. O obeso tem mais propensão a desenvolver problemas como hipertensão, doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, além de problemas físicos como artrose, pedra na vesícula, artrite, cansaço, refluxo esofágico, tumores de intestino e de vesícula.
  5. A obesidade pode, também, mexer com fatores psicológicos, acarretando diminuição da autoestima e depressão.
  6. São muitas as causas da obesidade. O excesso de peso pode estar ligado ao patrimônio genético da pessoa, a maus hábitos alimentares ou, por exemplo, a disfunções endócrinas. Por isso, na hora de pensar em emagrecer, procure um especialista.
  7. Para o diagnóstico de obesidade, médicos podem usar fatores de risco e outras doenças para terem a noção da gravidade da situação do paciente. Por exemplo, apnéia do sonodiabetes mellitus tipo 2 e arteriosclerose são doenças que indicam a necessidade urgente de tratamento clínico da obesidade.
  8. Segundo consta na Lei 11721, assinada em junho de 2008, pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, 11 de outubro é Dia Nacional de Prevenção da Obesidade. A data havia sido criada, há cerca de dez anos, pela Federação Latino-Americana de Obesidade, porém reconhecida, em 1999, pelo Governo Federal e instituída no Brasil, na época, com o nome de Dia Nacional de Combate à Obesidade.
  9. A prevenção contra a obesidade passa pela conscientização da importância da atividade física e da alimentação adequada. O estilo de vida sedentário, as refeições com poucos vegetais e frutas, além do excesso de alimentos com fritura e açúcar se refletem no aumento de pessoas obesas, em todas as faixas etárias, inclusive crianças.
  10. Está comprovado que relacionamentos sociais e romances são menos frequentes entre obesos, já que eles saem menos de casa devido a diminuição da autoestima. Agora, uma vez existindo o relacionamento, a obesidade pode interferir no relacionamento sexual. Ela está relacionada à redução da testosterona, o que pode levar a redução de libido e a problemas de ereção nos homens. Já nas mulheres, existe uma redução dos níveis de hormônio feminino e aumento no nível dos masculinizantes. As mulheres têm aumento de pêlos, irregularidade menstrual e falha na ovulação. As chances de todos esses problemas se resolverem, com uma perda de peso na ordem de 10%, são bem grandes.

 

Fonte: endocrino.org.br

Entenda a síndrome dos ovários policísticos

ovários policísticos

A saúde da mulher é um tema amplamente abordado, tanto pelos pesquisadores e médicos, quanto pelos meios de comunicação e pelo público leigo. A seguir confira 10 coisas que você deve saber sobre a Síndrome dos Ovários Policísticos:

  1. Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP ou PCOS, sigla em inglês) é uma doença endocrinológica caracterizada pelo aumento da produção de hormônios masculinos.
  2. Para ser diagnosticada é preciso que a paciente apresente dois ou três sintomas combinados, e que seja excluída outra patologia. Além disso, o médico deve avaliar sua história clínica e realizar o exame físico. Os sintomas da SOP são: aumento do volume ovariano, ausência ou irregularidade da menstruação, ausência de ovulação, aumento de peso, aparecimento de acne, hirsutismo(crescimento de pelos no rosto e outros locais em que a mulher normalmente não tem pelos), queda de cabelo, resistência insulínica (RI) e problemas com a fertilidade;
  3. Segundo o Dr. Alexandre Hohl, 1 em cada 15 mulheres em idade reprodutiva tem SOP e a RI atinge de 50 a 70% das mulheres com a Síndrome. E, esta resistência independe do peso corporal da mulher. A literatura mostra a prevalência em torno de 5% a 10% da população feminina em idade fértil;
  4. Apesar da SOP ser causa da irregularidade menstrual em 85% das jovens, é um distúrbio que pode se manifestar de diversas formas. Além disso, a SOP está associada com o maior risco para o desenvolvimento de outras doenças como câncer de endométrio (tumor localizado na parede interna do útero), ataque cardíaco e diabetes;
  5. tratamento da SOP deve estar acoplado ao incentivo a uma dieta alimentar e a prática de atividade física, pois, segundo o Dr. Alexandre, “Para se tratar SOP e RI, é fundamental a mudança no estilo de vida. Isso melhora a resistência insulínica, a fertilidade, regula a ovulação e aumenta a sensibilidade à insulina”;
  6. Dentre as opções medicamentosas, os anticoncepcionais orais têm sido muito utilizados e são seguros e eficazes em pacientes sem maiores comorbidades metabólicas. Por ser uma síndrome, com vários sintomas, o tratamento deve englobar diversos medicamentos como hipoglicemiantesorais (nos casos de resistência à insulina); estimulantes da menstruação, medicamento para reverter o quadro de infertilidade, cosméticos conta a acne e terapias para o controle do estresse e da ansiedade;
  7. Mulheres com SOP apresentam, em geral, valores mais elevados de percentual de gordura, adiposidade central (barriga), testosterona, glicose pós-prandial, insulina basal e pós-prandial, triglicerídeos, colesterol total e LDL colesterol. Além disso, apresentam fatores de risco cardiovasculares mais precocemente do que comparadas as mulheres sem SOP, com mesmo IMC;
  8. De acordo com a Diretriz Brasileira sobre a SOP, dieta e exercícios físicos representam o tratamento de primeira linha, melhorando a resistência à insulina e retorno dos ciclos ovulatórios, mesmo na ausência de perda de peso. Com o tratamento medicamentoso adequado, cerca de 50% a 80% das pacientes apresentam ovulação e 40% a 50% engravidam. A fertilização in vitro (FIV) também é indicada nos casos em que a estimulação ovariana foi exagerada, com o objetivo de evitar o cancelamento do ciclo;
  9. A perda de peso resultante das mudanças no estilo de vida “favorecerá a queda dos androgênios circulantes, melhorando o perfil lipídico e diminuindo a resistência periférica à insulina; dessa forma, contribuirá para o decréscimo no risco de aterosclerose, diabetes e regularização da função ovulatória. A prescrição de contraceptivos hormonais orais de baixa dose, por sua vez, propiciarão o controle da irregularidade menstrual e redução do risco de câncer endometrial” (Projeto Diretrizes AMB);
  10. Apesar de ser comum, a Síndrome dos Ovários Policísticos manifesta-se de diferentes formas nas mulheres e por este motivo seu tratamento deve ser individualizado. Até o momento não foi descoberta a cura para a SOP, entretanto com o controle dos sintomas é possível prevenir os problemas associados. Em casos de suspeita de SOP, procure o seu endocrinologista.


Fonte: Trabalhos aprovados para o 6º EndoFeminina, realizado nos dias 24 e 25 de abril de 2009; Site da Gineco; Artigos Científicos no Scielo; Projeto Diretrizes. Associação Médica Brasileira (AMB).

Conheça a Osteoporose uma doença silenciosa. Previna-se!

osteoporose

osso, além de promover sustentação ao nosso organismo, é a fonte de cálcio, necessária para a execução de diversas funções como os batimentos cardíacos e a força muscular. É uma estrutura viva que está sendo sempre renovada. Essa remodelação acontece diariamente em todo o esqueleto, durante a vida inteira. A osteoporose é uma doença que se caracteriza pela diminuição de massa óssea, com o desenvolvimento de ossos ocos, finos e de extrema sensibilidade, tornando-os mais sujeitos a fraturas.

Confira, então, as 10 coisas que você precisa saber sobre osteoporose:

1 – A osteoporose é uma doença silenciosa, isto é,  raramente apresenta sintomas antes que aconteça sua consequência mais grave, isto é, uma fratura óssea. O ideal é que sejam feitos exames preventivos, para que ela seja diagnosticada a tempo de se evitar as fraturas.

2 – Os nossos ossos recebem forte influência do estrogênio, um hormônio feminino, mas que também está presente nos homens, só que em menor quantidade. Esta hormônio ajuda a manter o equilíbrio entre a perda e o ganho de massa óssea.  Por este motivo, as mulheres são as mais atingidas pela doença, uma vez que, na menopausa, os níveis de estrogênio caem bruscamente. Com esta queda, os ossos passam a se descalcificar e se tornam mais frágeis. De acordo com estatísticas, a osteoporose afeta um homem para  cada quatro mulheres.

3 – 10 milhões de brasileiros sofrem de osteoporose. Uma a cada quatro mulheres com mais de 50 anos desenvolve a doença. No Brasil, a cada ano ocorrem cerca de 2,4 milhões de fraturas decorrentes da osteoporose. 200 mil pessoas morrem todos os anos no país em decorrência destas fraturas. Mas, mesmo após uma fratura osteoporótica, o diagnóstico de osteoporose acaba não sendo feito e o paciente não é encaminhado para tratamento.

4 – Os locais mais comuns atingidos pela osteoporose são a espinha (vértebras), o bacia (fêmur), o punho (rádio) e braço (úmero). Destas, a fratura mais perigosa é a do colo do fêmur. Um quarto dos pacientes que sofrem esta fratura morrem dentro de 6 meses.

5 – Muita dor nas costas e diminuição de estatura podem representar fraturas vertebrais da osteoporose. Preste atenção!

6 – O diagnóstico precoce da osteoporose é feito pela medida da Densitometria Óssea. Possuem maior risco para desenvolver osteoporose as mulheres, indivíduos de raça branca, pessoas miúdas (magrinhas e pequenas), que tiveram menopausa precoce e não fizeram reposição hormonal, os fumantes, que possuem história de fraturas na família, que possuem doenças graves ou que utilizam corticoides por longo tempo,  e aquelas que ja tiveram fraturas na idade adulta.

7 – Uma medida de Densitometria Óssea esta indicada para todas as mulheres a partir de 65 anos e para todos homens com 70 anos ou mais. Além disto, todas mulheres menopausadas e todos homens com mais de 50 anos que possuam um dos fatores de risco descritos acima devem realizar o exame para confirmar a presença da osteoporose.

8 – A prevenção da osteoporose deve se iniciar na infância, através de uma alimentação saudável, com boa quantidade de alimentos ricos em cálcio (especialmente presente nos laticínios e, em menor quantidade, nas verduras escuras, no gergelim, no feijão branco e no tofu). Além disto, deve-se proporcionar para a criança e o adolescente a possibilidade de  brincadeiras e atividades ao ar livre. Isto nao somente vai estimular o exercício físico  que fortalece o esqueleto em crescimento, mas também possibilitar a exposição ao sol para que ocorra a produção Vitamina D na pele.

9 – A Vitamina D é fundamental para nossa saúde, em especial para o fortalecimento ósseo. Como ela não esta presente na maioria dos alimentos, temos que obtê-la através  da exposição ao sol ou, quando isto não for possível, através de suplementos vitamínicos.

10 – O risco de desenvolver a Osteoporose pode ser reduzido, se medidas como uma alimentação rica em cálcio, manutenção de uma atividade física e aporte adequado de Vitamina D foram proporcionados ao longo da vida. Entretanto, é importante salientar que, mesmo com todos estes cuidados, uma parte dos indivíduos vai ter osteoporose, pois a herança genética ainda não pode ser modificada. Mas a boa notícia é que existem tratamentos eficazes, caso você ja tenha a doença. Procure um endocrinologista, que poderá conduzir seu tratamento de maneira adequada e tranquila.

 

Fonte: endocrino.org.br

O que é retinopatia? Entenda os sintomas.

retonopatia

Retinopatia diabética é uma complicação que ocorre quando o excesso deglicose no sangue danifica os vasos sanguíneos dentro da retina. Caso o paciente não busque tratamento, a visão pode ficar seriamente comprometida.

1) A retinopatia diabética pode surgir sem que o paciente note diferença em sua visão. Com o passar do tempo, porém, a visão passa a piorar, podendo até mesmo chegar à cegueira, caso não seja tratada.

2) Ela tem quatro fases:

Fase Inicial (Não Proliferativa) – Ocorrem os microaneurismas, que são pequenas áreas de dilatação dos pequenos vasos sanguíneos da retina.

Fase Moderada (Não Proliferativa) – Nesta fase, alguns vasos sanguíneos são bloqueados.

Fase Severa (Não Proliferativa) – Mais vasos sanguíneos são bloqueados e várias regiões da retina param de receber sangue. Com isso, elas não recebem o oxigênio suficientes e enviam sinais ao organismo para formar novos vasos para sua nutrição (neovascularização).

Retinopatia Proliferativa – É considerada a fase mais avançada da doença. A retina envia sinais, solicitando melhor circulação de sangue. Isso provoca o crescimento de vasos sanguíneos defeituosos e frágeis.

3) A presença dos vasos sanguíneos com defeito não causa sintomas ou perda de visão. Por terem paredes frágeis, podem se romper e espalhar sangue pela cavidade vítrea. Isso sim resulta em perda de visão.

4) Para evitar os problemas de visão, além de manter um bom controle dos níveis glicêmicos, todo paciente com diabetes tipo 1 ou 2 deve fazer o exame do fundo de olho pelo menos uma vez por ano.

5) Na gravidez, os cuidados com a visão devem ser redobrados. Para proteger a vista, as mulheres grávidas com diabetes precisam fazer pelo menos um exame do fundo de olho a cada trimestre gestacional.

6) A retinopatia não costuma apresentar sintomas. No entanto, quando ocorre hemorragia vítrea, o paciente pode ver alguns pontos de sangue ou manchas flutuantes na visão. Ao primeiro sinal de visão borrada, ou qualquer outra alteração, procure um oftalmologista.

7) Durante as primeiras três fases da retinopatia diabética, não há necessidade de nenhum tratamento oftalmológico, exceto quando há edema macular. Mesmo assim, nuitas vezes, pode ser feita fotocoagulação parcial na fase 3.

8) A retinopatia proliferativa é tratada com panfotocoagulação a laser. Nesse tratamento, os vasos sanguíneos neoformados e as áreas sem oxigenação são fotocoagulados. Normalmente, são necessárias duas ou mais sessões de aplicação a laser. Caso haja hemorragia severa, pode precisar de um procedimento cirúrgico chamado vitrectomia, para remover o sangue do olho.

9) O National Eye Institute (NEI) é o órgão que gerencia e apóia pesquisas que tenham como objetivo encontrar novos métodos de diagnóstico, tratamento e prevenção da perda de visão em pacientes com diabetes. Há estudos sobre medicação que pode impedir a retina de enviar sinais para o organismo, evitando, assim, a neovascularização retiniana.

10) A melhor forma de prevenção da retinopatia diabética é manter os níveis de glicemia sob controle. Além disso, é preciso manter bons níveis de pressão arterial e das taxas de colesterol. Isso ajuda a proteger os olhos e a saúde como um todo.

 

Fonte: endocrino.org.br