13 hábitos que causam stress sem que você perceba

A rotina atribulada está te enlouquecendo? Você anda estressado e muito ansioso? Pois saiba que você pode ter culpa nisso. Sim, nós sabemos que você não está se sabotando de propósito (esperamos que não!), então aqui está uma lista rápida de coisas que você pode estar fazendo inconscientemente e que podem estar deixando tudo pior.

Respire fundo e tente relaxar. Talvez você esteja estressado(a) porque…
1. Você não deu risada hoje.

Se você não se lembra da última vez que riu até chorar, é melhor repensar suas escolhas de vida – e assistir a esse vídeo. Uma boa gargalhada alivia o stress, estimula a circulação sanguínea, relaxa os músculos, melhora o sistema imunológico e alivia a dor.

2. Você não está indo à academia.

Em um estudo com ratos, aqueles que se exercitavam responderam a um banho gelado com um rápido acesso de ansiedade, seguido de calma. Isso sugere que o cérebro fica mais bem preparado para lidar com o stress quando o corpo está fisicamente ativo. Fazer exercícios regularmente em vez de inventar desculpas pode ajudar você a reduzir seu stress. Além disso, sua aparência vai melhorar.

3. As músicas que você ouve não estão ajudando.

Diversos estudos já mostraram os benefícios relaxantes da música, mas cada um tem seu gosto. Sua professora de piano pode relaxar ao som de Debussy, mas talvez você prefira algo mais nostálgico como os Cranberries. Descubra qual é o seu som.

4. Você deixou aquela pia de louça suja para amanhã.

Pense em seus hábitos de limpeza. Seu quarto parece um cenário de guerra? Você costuma achar bananas estragadas no meio de um monte de papéis inúteis em cima da sua geladeira? O fundo da sua bolsa ou mochila é um cemitério de canetas quebradas? Manter suas coisas organizadas pode não ser a cura de toda a ansiedade, mas há evidências de que isso ajuda a aliviar o stress.

5. Sua vida sexual está deixando a desejar.

Se algo anda lhe preocupando, talvez você não tenha dado muita atenção a esse item, mas deveria! Sexo é a maior fonte de alívio de tensões que você vai encontrar nessa lista. Além de contar como exercício físico, ele pode ajudar você a relaxar. Pesquisadores da Universidade de Princeton descobriram em um estudo que ratos que copulavam diariamente apresentavam níveis menores de hormônios do stress. Além disso, já se sabe há muito tempo que macacos bonobos usam o sexo como uma ferramenta para gerenciar o stress.

6. Sua respiração precisa melhorar.

A respiração acelerada é uma resposta natural ao stress, mas se você não está diante de um predador voraz, ela se torna sua inimiga. Descubra um exercício respiratórioque funcione para você e lembre-se dele da próxima vez que começar a se preocupar com algo.

7. Você está tentando lutar contra seus fatores de stress.

O esforço é nobre, mas a verdade é que o mais racional a fazer é evitar o que estressa você, sempre que possível. Não gosta de multidões? Pare de ir ao supermercado no sábado à tarde. De acordo com a Clínica Mayo, você também pode evitar pessoas específicas. Talvez você já esteja fazendo isso com seus desafetos, mas agora não precisa sentir culpa ao fugir daquele colega de trabalho insuportável.

8. Você não diz nada de bom sobre si.

Reforçar constantemente sua autoconfiança (“tudo vai dar certo”, “não vou derrubar o bebê”) ajuda a reduzir a ansiedade. O cérebro é uma ferramenta poderosa: use-o.

9. Você está dormindo mal.

Se são 4h30 da manhã e você sabe que vai ter que se arrastar para fora da cama e ir para o trabalho em algumas horas, saia do Netflix. Não é hora de começar a assistir a uma série. Manter hábitos de sono regulares e saudáveis protege contra doenças cardíacas, alguns tipos de câncer e muitas outras doenças crônicas, além de melhorar sua percepção sobre sua vida e sobre si.

10. Você não consegue gerenciar seu tempo.

Se o número de tarefas que lhe aguardam em um dia comum é enlouquecedor, pense em quanto tempo você está dedicando a cada atividade. Planejar seu dia e estabelecer prioridades são coisas que podem ajudar nas suas decisões sobre o seu tempo, gerando uma sensação de maior controle sobre a vida. Se a procrastinação na internet é seu ponto fraco, essa extensão para o Google Chrome pode monitorar quanto tempo você gasta em cada site.

11. Você está aceitando mais tarefas do que dá conta.

Não tem problema em dizer “não” de vez em quando para aliviar a carga de suasresponsabilidades individuais. Desculpe, você não pode levar seu primo ao aeroporto, porque você já tem um jantar programado há semanas. Sinto muito, você não pode fazer um bolo para a festa de fim de ano da empresa porque vai precisar de muito tempo para prepará-lo.

12. Você não desgruda do seu celular.

Pare com isso. Pare de olhar para a tela. Você vai ficar bem (volte ao item que fala sobre mantras pessoais). Pesquisas mostram que a pressão de estar disponível para responder e-mails, mensagens de texto, telefonemas e estar a par de tudo pode ser demais. Faça um esforço consciente e desligue seu celular e seu computador durante algumas horas do dia.

13. Você acabou de atingir um objetivo importante.

… Mas por algum motivo você ainda está surtando! Muita calma (de qualquer forma, esperamos que você esteja atingindo objetivos de vida diariamente). Estudos com estudantes universitários demonstraram que metas “compassivas” (que beneficiam outras pessoas além de você) geram maior redução da ansiedade pós-conquista do que as mais individualistas. Em outras palavras: seja uma pessoa melhor, pois isso vai fazer com que se sinta melhor também.

Mais uma dica: se você precisar de um alívio extra, experimente mascar chiclete, fazer carinho em um filhote fofinho ou preparar uma xícara de chá.

Já está se sentindo melhor?

Anúncios

A receita da longevidade: sete atitudes para viver mais e melhor

Comer peixe e nozes, beber café e se casar são alguma das medidas que, comprovadamente, aumentam a expectativa de vida

Longevidade: Estudos recentes dão pistas sobre hábitos que acrescentam anos à expectativa de vida de uma pessoa

Adotar um estilo de vida saudável ajuda a ter uma vida mais longa e melhor. Alguns aliados da longevidade são a prática regular de atividade física e a alimentação equilibrada, assim como a distância de comportamentos prejudiciais, a exemplo de tabagismo e alcoolismo. O site de VEJA selecionou sete medidas que, segundo estudos publicados recentemente, podem indicar o melhor caminho para uma vida longeva.

 

  • Case-se:

Casar-se, ou simplesmente ter um companheiro ao longo da vida, pode acrescentar anos à vida de uma pessoa. Um estudo feito na Universidade Duke, nos Estados Unidos, com 4 800 pessoas descobriu que adultos solteiros correm um maior risco de morte prematura e, portanto, são menos propensos a chegar à terceira idade do que aqueles que vivem com um companheiro. Na pesquisa, as pessoas que nunca haviam se casado tiveram mais do que o dobro do risco de morrer precocemente do que as que viviam com um parceiro. Essa chance foi 60% maior entre aquelas que já tinham sido casadas alguma vez na vida

 

  • Beba café, mas com moderação:

Ingerir três xícaras de café todos os dias é suficiente para prolongar a vida de pessoas com mais de 50 anos. Um estudo do Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos descobriu que essa quantidade da bebida é capaz de reduzir em 10% o risco de mortalidade em um período de doze anos nesse público. Além disso, outras pesquisas já associaram o café à proteção contra doenças como câncer de pele ederrame. Isso não quer dizer, porém, que as pessoas devam exagerar no café: a mesma pesquisa americana encontrou uma relação entre o excesso de cafeína e um maior risco de câncer entre homens.

 

  • Saia do Sedentarismo:

Muitas pesquisas já comprovaram que exercitar-se é um dos caminhos para viver mais. Um estudo dinamarquês de 2012, por exemplo, concluiu que a corrida leve pode aumentar a longevidade em até seis anos. Já uma pesquisa americana publicada no mesmo ano mostrou que atividades físicas de lazer, como caminhar ou pedalar no parque, é capaz de acrescentar até 4,5 anos na expectativa de vida de alguém. Os prejuízos do sedentarismo, no entanto, não são evitados apenas com os exercícios, mas também com a redução do tempo em que uma passa sentada em frente à televisão ou ao computador. Um estudo feito na Austrália e publicado em 2012 provou que o sedentarismo não só provoca doenças, como encurta a vida. A pesquisa avaliou 200 000 pessoas acima de 45 anos e descobriu que as que permaneciam sentadas por mais tempo tinham duas vezes mais chance de morrer em um período de três anos do que aquelas que ficavam sentadas por menos tempo ao longo do dia.

 

  • Inclua peixe no cardápio:

Um estudo da Universidade Harvard descobriu que pessoas com mais de 65 anos que desejam ter uma vida mais longa podem começar por incluir peixe no cardápio com maior frequência. O alimento, especialmente tipos como a sardinha, o salmão e o atum, é rico ômega-3, nutriente que já foi associado a benefícios à saúde cardiovascular. A pesquisa americana acompanhou 2 700 pessoas com 65 anos ou mais ao longo de 12 anos e concluiu que aquelas que apresentavam os maiores níveis de ômega-3 no organismo viviam, em média, 2,2 anos a mais do que quem nunca consumia o nutriente. A recomendação dos pesquisadores é o consumo de no mínimo duas porções por semana de peixes ricos em ômega-3.

 

  • Mesmo na velhice, adote um estilo de vida saudável:

Muitas pessoas podem pensar que uma maior longevidade se conquista com hábitos saudáveis seguidos ao longo da vida toda, mas uma pesquisa feita na Suécia concluiu que adotar um estilo de vida saudável já na velhice também contribui nesse sentido. O estudo analisou, ao longo de 18 anos, a sobrevivência de 1 800 idosos com mais de 75 anos e descobriu que não fumar, não beber em excesso e praticar exercícios pode aumentar em até cinco anos a longevidade, mesmo entre aqueles que têm alguma doença crônica.

 

  • Consuma nozes todos os dias:

Pesquisadores da Universidade Harvard chegaram à conclusão de que pessoas que comem nozes, amêndoas, castanhas, avelãs e outras oleaginosas todos os dias desfrutam de uma melhor qualidade de vida e tendem a viver por mais tempo. Em um estudo publicado em 2013, eles acompanharam cerca de 120 000 indivíduos ao longo de trinta anos e descobriram que, durante esse tempo, o risco de morrer foi 20% menor entre quem comia mais oleaginosas do que aqueles que nunca as consumiam. As oleaginosas contêm gorduras saudáveis e são ricas em fibras e proteínas, o que retarda a absorção do alimento e diminui o apetite. Por isso, seu consumo está associado a uma melhor alimentação e controle do peso, fatores benéficos à saúde em geral.

 

  • Coma mais vegetais e menos carne vermelha:

Um dos segredos da longevidade pode estar em seguir uma conhecida recomendação dos médicos: comer pelo menos cinco porções de frutas e vegetais todos os dias. Um estudo sueco publicado em 2013 acompanhou mais de 70 000 adultos durante 13 anos e descobriu que quem segue essa recomendação vive, em média, três anos a mais do que quem nunca consome frutas e vegetais. Além disso, segundo uma pesquisa da universidade americana Loma Linda, o risco de morte dentro de um período de seis anos chega a ser 12% menor entre vegetarianos em comparação com quem come carne. O consumo de carne vermelha por si só já foi associado a uma chance até 20% mais elevada de mortalidade. A conclusão faz parte de trabalho da Universidade Harvard publicado em 2012.

Dor no corpo? Veja qual a melhor posição para dormir em cada caso

Um estudo do Instituto de Pesquisa e Orientação da Mente (Ipom) revelou que 69% dos brasileiros dormem mal. E muitas vezes, o que atrapalha o sono são dores preexistentes somadas à posição errada no colchão.

Reportagem: Ivonete Lucirio e Malia Jacobson/ Women’sHealth

Se você tem… Azia e Refluxo

Deite-se sobre o lado esquerdo.

“Assim, os órgãos internos exercem menos pressão sobre o esfíncter inferior do esôfago”, explica o especialista em sono Priyanka Yadav, do Life Center, em Nova Jersey, nos EUA. O esfíncter é a escotilha responsável por evitar que a acidez do estômago volte para a garganta. Se estiver pressionado, não se fecha direito – e lá vem azia. Os braços devem ficar à frente do corpo, com os joelhos um pouco dobrados. Manter a cabeça mais alta que os pés também é importante. Mas não se iluda aumentando a altura do travesseiro. “O tronco também precisa ficar em desnível. Uma dica é calçar os pés da cabeceira da cama para que fique mais elevada”, explica o gastro Mário Kondo, do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

Se você tem… Dores nas Costas

Deite-se de lado, com os joelhos flexionados e um travesseiro bem firme entre eles.

“Dessa forma, a musculatura é alongada e os espaços naturais existentes entre uma vértebra e outra são ampliados, aliviando a compressão sobre os nervos que passam na região e que provocam a sensação dolorosa”, explica o neurocirurgião Paulo Porto Melo, que é colaborador do Departamento de Neurocirurgia da Universidade de Saint Louis, nos EUA. Além disso, a coluna fica toda alinhada, evitando algum desequilíbrio. Os braços devem ficar relaxados à frente. Talvez tenha dificuldade em dormir assim da primeira vez, mas vale insistir.

Se você tem… Congestão Nasal

Deite-se de lado.

Sempre que estiver congestionada, por causa de alergia, sinusite ou resfriado, evite posicionar-se de costas, com a barriga para cima, porque você acabará ficando com a boca aberta e, pior, roncará que nem um caminhão. Sem contar que a cavidade bucal fica seca, provocando tosse. Deite-se de lado com um travesseiro extra para que a cabeça fique mais alta e deixe a gravidade fazer seu trabalho, puxando o muco para baixo, fora do nariz. Os braços vão necessitar de um suporte extra, o que é resolvido abraçando um travesseiro.

Se você tem… Dor nos Ombros

Deite-se de lado, na pose do “abraço”.

Não aconchegue o braço de baixo sob a cabeça quando estiver deitada de lado – isso espreme a rede de nervos entre ombro, braço e mão. “É como dormir com um peso de 10 kg sobre o ombro”, diz Robert S. Rosenberg, diretor médico do Centro de Distúrbios do Sono de Prescott Valley, no Arizona, nos EUA. “Se for dormir de lado, não apoie-se no ombro dolorido. Abrace um travesseiro macio para lhe dar suporte”, orienta o neurocirurgião Adriano Scaff, do Centro Especializado em Coluna e Dor, de Ribeirão Preto, no interior paulista. “Deitar-se de costas também é adequado.”

Se você tem… TPM e Cólica

Fique de barriga para cima, o mais esticada possível, mas com a parte traseira dos joelhos apoiada em uma almofada.

Os braços devem permanecer apoiados ao lado do corpo. Nada de enrolar-se feito uma bola na cama. Deitar-se de lado deixa um dos seios – já doloridos pela fase – sem apoio, aumentando o incômodo. E de barriga para baixo pressiona o útero, causando irritação e mais cólica ainda.

Se você… Range os Dentes

Deite-se de costas, rosto virado para cima.

O ranger noturno, ou bruxismo, afeta 8% dos adultos e pode ser uma condição genética ou resultado do estresse e da ansiedade. Dormir de costas evita que ocorra mais pressão nos ossos da face. “Também dá para deitar de lado, o que ajuda a reduzir o risco de apneia obstrutiva do sono”, diz o ortodontista Jorge Faber, de Brasília. “Mas é preciso encontrar uma posição que não pressione a mandíbula.”

Se você tem… Quadris Doloridos

Deite-se de costas.

Cerca de 15% das mulheres sofrem com bursite, uma inflamação articular nessa área. “Dormir sobre o lado machucado do quadril é o pior que se pode fazer”, diz Yadav. Mesmo quando se deita do lado oposto, o quadril pode ficar desalinhado, o que aumentará a dor. Por isso, a saída é repousar de costas, com a barriga para cima. Isso dá aos quadris uma folga do estresse que passa durante o dia, com o corpo em pé ou sentado. Uma almofada triangular sob os joelhos pode dar um suporte extra.

Se você tem… Torcicolo

Deite-se de costas.

Esqueça os travesseiros do tipo montanha ou panqueca ¬ altos ou baixo demais. A peça deve ter a altura do ombro. Assim, ao acomodar-se de lado, a coluna ficará totalmente alinhada. E, mesmo que esteja deitada de barriga para cima, ela continuará na linha. Com isso, os músculos ficam relaxados. Tenha em mente que o prazo de validade do acessório também vence. Isso varia em função do quanto a pessoa transpira. Mas ele deve ser trocado, no máximo, a cada dois anos.

Se você tem… Dores nos Joelhos

Deite-se de costas.

Mas, para que esse reposicionamento seja mais bem adaptado, identifique a causa da dor. “Se for inflamatória, coloque um travesseiro em forma de triângulo sob a parte traseira dos joelhos”, recomenda a fisioterapeuta Cristiane Guimarães, do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia, em São Paulo. Essa tática também é indicada para contraturas musculares. “No caso de dor vascular associada a edema nas pernas, o melhor é um apoio sob o calcanhar”, diz o ortopedista Luiz Alberto Nakao Iha, da Clínica Healthme, em São Paulo.

Conheça a Osteoporose uma doença silenciosa. Previna-se!

osteoporose

osso, além de promover sustentação ao nosso organismo, é a fonte de cálcio, necessária para a execução de diversas funções como os batimentos cardíacos e a força muscular. É uma estrutura viva que está sendo sempre renovada. Essa remodelação acontece diariamente em todo o esqueleto, durante a vida inteira. A osteoporose é uma doença que se caracteriza pela diminuição de massa óssea, com o desenvolvimento de ossos ocos, finos e de extrema sensibilidade, tornando-os mais sujeitos a fraturas.

Confira, então, as 10 coisas que você precisa saber sobre osteoporose:

1 – A osteoporose é uma doença silenciosa, isto é,  raramente apresenta sintomas antes que aconteça sua consequência mais grave, isto é, uma fratura óssea. O ideal é que sejam feitos exames preventivos, para que ela seja diagnosticada a tempo de se evitar as fraturas.

2 – Os nossos ossos recebem forte influência do estrogênio, um hormônio feminino, mas que também está presente nos homens, só que em menor quantidade. Esta hormônio ajuda a manter o equilíbrio entre a perda e o ganho de massa óssea.  Por este motivo, as mulheres são as mais atingidas pela doença, uma vez que, na menopausa, os níveis de estrogênio caem bruscamente. Com esta queda, os ossos passam a se descalcificar e se tornam mais frágeis. De acordo com estatísticas, a osteoporose afeta um homem para  cada quatro mulheres.

3 – 10 milhões de brasileiros sofrem de osteoporose. Uma a cada quatro mulheres com mais de 50 anos desenvolve a doença. No Brasil, a cada ano ocorrem cerca de 2,4 milhões de fraturas decorrentes da osteoporose. 200 mil pessoas morrem todos os anos no país em decorrência destas fraturas. Mas, mesmo após uma fratura osteoporótica, o diagnóstico de osteoporose acaba não sendo feito e o paciente não é encaminhado para tratamento.

4 – Os locais mais comuns atingidos pela osteoporose são a espinha (vértebras), o bacia (fêmur), o punho (rádio) e braço (úmero). Destas, a fratura mais perigosa é a do colo do fêmur. Um quarto dos pacientes que sofrem esta fratura morrem dentro de 6 meses.

5 – Muita dor nas costas e diminuição de estatura podem representar fraturas vertebrais da osteoporose. Preste atenção!

6 – O diagnóstico precoce da osteoporose é feito pela medida da Densitometria Óssea. Possuem maior risco para desenvolver osteoporose as mulheres, indivíduos de raça branca, pessoas miúdas (magrinhas e pequenas), que tiveram menopausa precoce e não fizeram reposição hormonal, os fumantes, que possuem história de fraturas na família, que possuem doenças graves ou que utilizam corticoides por longo tempo,  e aquelas que ja tiveram fraturas na idade adulta.

7 – Uma medida de Densitometria Óssea esta indicada para todas as mulheres a partir de 65 anos e para todos homens com 70 anos ou mais. Além disto, todas mulheres menopausadas e todos homens com mais de 50 anos que possuam um dos fatores de risco descritos acima devem realizar o exame para confirmar a presença da osteoporose.

8 – A prevenção da osteoporose deve se iniciar na infância, através de uma alimentação saudável, com boa quantidade de alimentos ricos em cálcio (especialmente presente nos laticínios e, em menor quantidade, nas verduras escuras, no gergelim, no feijão branco e no tofu). Além disto, deve-se proporcionar para a criança e o adolescente a possibilidade de  brincadeiras e atividades ao ar livre. Isto nao somente vai estimular o exercício físico  que fortalece o esqueleto em crescimento, mas também possibilitar a exposição ao sol para que ocorra a produção Vitamina D na pele.

9 – A Vitamina D é fundamental para nossa saúde, em especial para o fortalecimento ósseo. Como ela não esta presente na maioria dos alimentos, temos que obtê-la através  da exposição ao sol ou, quando isto não for possível, através de suplementos vitamínicos.

10 – O risco de desenvolver a Osteoporose pode ser reduzido, se medidas como uma alimentação rica em cálcio, manutenção de uma atividade física e aporte adequado de Vitamina D foram proporcionados ao longo da vida. Entretanto, é importante salientar que, mesmo com todos estes cuidados, uma parte dos indivíduos vai ter osteoporose, pois a herança genética ainda não pode ser modificada. Mas a boa notícia é que existem tratamentos eficazes, caso você ja tenha a doença. Procure um endocrinologista, que poderá conduzir seu tratamento de maneira adequada e tranquila.

 

Fonte: endocrino.org.br

Tudo o que você precisa saber sobre anabolizantes

anabolizantes

O uso de anabolizantes vem se tornando, a cada dia, um hábito comum, principalmente pelas pessoas que praticam esportes, para aumentar a competitividade, ajudar na cura de lesões ou simplesmente por questões estéticas. Porém, o consumo excessivo desse tipo de produto é muito perigoso e pode causar danos irreparáveis ao corpo humano.

1.    Os esteróides androgênicos anabólicos, mas conhecidos como anabolizantes, é um produto derivado principalmente da testosterona, hormônio responsável por muitas características que diferem homem e mulher. Eles atuam no crescimento celular e em tecidos do corpo, como o ósseo e o muscular.

2.    O uso de anabolizantes gera efeitos colaterais, tanto em homens e mulheres, como:  aumento de acnes, queda do cabelo, distúrbios da função do fígado, tumores no fígado, explosões de ira ou comportamento agressivo, paranóia, alucinações, psicoses, coágulos de sangue, retenção de líquido no organismo, aumento da pressão arterial e risco de adquirir doenças transmissíveis (AIDS, Hepatite).

3.    No caso das mulheres, o uso de anabolizantes pode gerar características masculinas no corpo, como engrossamento da voz e surgimento de pêlos além do normal. Além disso, aumento do tamanho do clitóris, irregularidade ou interrupção das menstruações, diminuição dos seios e aumento de apetite.

4.    Nos homens, o excesso de anabolizantes pode causar aparecimento de mamas, redução dos testículos, diminuição da contagem dos espermatozóides e calvície.

5.    Em adolescentes, as consequências podem ser piores, como comprometimento do crescimento, maturação óssea acelerada, aumento da frequência e duração das ereções, desenvolvimento sexual precoce, hipervirilização, crescimento do falo (hipogonadismo ou megalofalia), aumentos dos pelos púbicos e do corpo, além do ligeiro crescimento de barba.

6.    Esses hormônios podem ser usados clinicamente e, ocasionalmente, serem prescritos sob orientação médica para repor o hormônio deficiente em alguns homens e para ajudar pacientes aidéticos a recuperar peso. Nos casos de necessidade clínica, os pacientes são indicados a tomarem apenas doses mínimas para apenas regularizar sua disfunção.

7.    O uso das injeções de anabolizantes esteróides pode levar ao risco de infecção pelo HIV e vírus da hepatite, se as agulhas forem compartilhadas. Esteróides Anabólicos obtidos sem uma prescrição não são confiáveis, pois podem conter outras substâncias, os frascos podem não ser estéreis e, além disso, é possível que nem esteróides contenham.

8.    Usar anabolizantes, sem orientação médica, é proibido, além de ser de grande risco para a saúde. Entretanto, por aumentarem a massa muscular, estas drogas têm sido cada vez mais procuradas e utilizadas por alguns atletas para melhorar a performance física e por outras pessoas para obter uma melhor aparência muscular.

9.    Um estudo de 2007 traçou o perfil do usuário de anabolizantes no mundo. De acordo com os dados, o usuário típico não é o adolescente ou o atleta, mas o homem de cerca de 30 anos, bem educado e com renda alta, segundo um estudo publicado hoje. Foram pesquisados 2.663 homens e mulheres de 81 países, indicando que o motivo principal para o uso desses compostos é o aumento da musculatura.

10.    Muitos atletas consomem anabolizantes a fim de conseguirem uma melhora na performance dentro do esporte. Os anabolizantes, quando entram em contato com as células do tecido muscular, aumentam o tamanho dos músculos do corpo humano. Porém, isso é caracterizado Doping, e o esportista pode ser punido por isso, como já ocorreu em inúmeros casos.  Dependendo da situação, o atleta pode ser banido do esporte.

 
 
Fonte: endocrino.org.br

10 coisas que você precisa saber sobre hipertensão

colesterol da mulher

Em geral, as pessoas com hipertensão arterial precisam verificar os níveis de sua pressão de 2 a 4 vezes por dia. Vale lembrar que o diagnóstico da hipertensão somente pode ser feito por um médico. Em todos os casos, os cuidados com a saúde devem ser diários. Confira as 10 coisas que você precisa saber sobre hipertensão arterial:

  1. A hipertensão, ou pressão alta, acontece quando a pressão arterial, após ser medida por diversas vezes, é igual ou superior a 14 por 9. Isso acontece porque os vasos por onde o sangue circula se contraem e fazem com que a pressão do sangue se eleve. Ela é considerada normal quando a pressão sistólica (máxima) não ultrapassa 130 mmHg e a diastólica (mínima) é inferior a 85 mmHg.
  2. A pressão arterial pode variar durante o dia. A tendência é que ela diminua quando estamos dormindo e aumente quando realizamos esforço físico. Estas situações não querem dizer que você seja necessariamente um hipertenso, mas o acompanhamento médico é sempre importante nesses casos.
  3. As pessoas acreditam que a pressão arterial só está alterada quando elas ficam ruborizadas, com raiva, tensas ou animadas. Isso é um tabu. Embora seja possível que isso aconteça, na maioria dos casos, a hipertensão não produz sintomas óbvios.
  4. A hipertensão, na maioria das vezes, é uma herança genética. Entretanto, pode ser desencadeada por hábitos de vida como: obesidade, ingestão excessiva de sal ou de bebida alcoólica e inatividade física.
  5. Ela não tem cura, mas pode e deve ser controlada. O tratamento contínuo pode evitar futuros infartos do coração, derrames e paralisação dos rins. Ele deve ser feito através de remédios controladores da pressão e hábitos saudáveis (diminuir a quantidade de sal na alimentação, bebidas alcoólicas, controlar o peso, fazer exercícios físicos, evitar o fumo e controlar o estresse).
  6. Qualquer pessoa pode medir a pressão, desde que esteja apta para isso. Mesmo assim, os profissionais de saúde são os mais indicados. Para medir a própria pressão é preciso estar em ambiente calmo, após repouso de 5 minutos, com o braço no qual fará a medição apoiado em uma mesa na altura do coração, as costas apoiadas na cadeira e os pés encostados no chão. A bexiga deve estar vazia e a pessoa não pode ter fumado, se alimentado ou ingerido café pelo menos 30 minutos antes da medida.
  7. Existem pessoas que só têm pressão alta quando esta é medida em consultório médico. Fora do consultório, ela é normal. É a chamada síndrome do avental branco. Para saber se existe esse tipo de hipertensão, o médico precisa conhecer a pressão do paciente no consultório e a pressão medida na casa do paciente ou adotar a monitorização ambulatorial, que mede a pressão durante 24 horas com aparelho automático.
  8. O sal pode interferir no aumento da pressão arterial, já que ele faz o corpo reter mais líquidos. Porém, não existe a necessidade de os hipertensos se alimentarem apenas de comida sem sal, basta evitar o exagero. Quem tem pressão alta deve ficar atento, também, a alimentos ricos em sódio, como os refrigerantes “zero açúcar”, além de conservas (picles, zeitona, maionese e ervilha), alimentos embutidos (salsicha, mortadela, lingüiça, presunto, salame e paio), carnes salgadas (bacalhau, charque, carne-seca e defumados) queijos em geral, dando preferência a queijo branco ou ricota sem sal.
  9. A prática de exercícios físicos ajuda a baixar a pressão. O exercício físico adequado não apresenta efeitos colaterais e traz vários benefícios para a saúde, tais como ajudar a controlar o peso e a pressão arterial, diminuir as taxas de gordura e açúcar no sangue, elevar o “bom colesterol”, diminuir a tensão emocional e aumentar a auto-estima. De qualquer maneira, deve-se sempre seguir orientação médica na hora de praticar exercícios físicos.
  10. A maioria das pessoas tem a pressão ligeiramente diferente em cada braço, por isso, para manter um controle adequado dos seus níveis é preciso que a medição seja efetuada sempre no mesmo braço e nas mesmas condições contidas no item 6 desta listagem.

 


Fontes: Ministério da Saúde, Sociedade Brasileira de Hipertensão e livro: O Guia Essencial da Hipertensão, da Associação Médica Americana.

Tireoide: Aprenda a fazer o autoexame

tireóide

Quando a tireoide funciona mal, o corpo sofre os sinais, que na metade dos casos não são relacionados pelas pessoas como parte de uma doença. Ganho ou perda de peso, agitação ou sonolência, falta de crescimento ou tremores podem ser sintomas de hipo ou hipertireoidismo – baixo ou extremo funcionamento dessa glândula.

A tireoide tem forma de borboleta, fica localizada no pescoço e é responsável por funções como crescimento e regulação da temperatura corporal. No mundo todo, 300 milhões de pessoas têm algum tipo de problema nessa região.

Para aprofundar o que essa glândula controla e o que os distúrbios dela causam, veja alguns exemplos.

Exames de sangue disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS) medem os hormônios da tireoide e podem indicar eventuais problemas. A partir dos 35 anos, deve-se fazer um teste a cada cinco anos. Além disso, apalpando a garganta, dá para saber se a glândula está aumentada (veja abaixo e também no vídeo acima como realizar o autoexame).

A principal causa do hipotireoidismo é uma doença autoimune chamada tireoidite de Hashimoto, em que o próprio organismo produz anticorpos que destroem a glândula, diminuindo todo o metabolismo do corpo. Nesse caso, o corpo tenta “parar o indivíduo”, já que não há “combustível” para ser gasto.

Pode haver também aumento dos níveis de colesterol no sangue, depressão, rouquidão, infertilidade e aborto. Segundo a médica, com tratamento, a melhora é rápida e significativa.

Outro motivo que pode levar ao hipotireoidismo é a falta de iodo, mas no Brasil essa não é mais uma preocupação – e sim o excesso dele. Cintia destacou, ainda, que é mito a história de que o paciente nessa situação engorda muito: são no máximo 4 quilos. De 10% a 15% das mulheres têm o problema em algum momento da vida (às vezes temporariamente, como na gravidez) e ficam “marcha lenta”, na definição do dr. Halpern.

Já o principal fator que desencadeia o hipertireoidismo é um transtorno autoimune chamado doença de Graves, em que o corpo fabrica anticorpos que estimulam excessivamente a tireoide, acelerando todo o metabolismo. O tabagismo também pode levar a esse quadro.

Autoexame 
1. Segure um espelho e procure no pescoço a região logo abaixo do “pomo de Adão” (gogó). Ali está a tireoide
2. Incline o pescoço para trás, para que o local fique mais exposto
3. Beba um pouco de água
4. O ato de engolir fará com que a tireoide suba e desça. Não confunda a tireoide com o pomo de Adão
5. Observe se existe algum caroço ou saliência. Se houver alteração, procure um endocrinologista, que é o profissional especializado no assunto

 

 

Fonte: g1.globo.com