O que você precisa saber sobre cirurgia bariátrica?

Como-acelerar-o-metabolismo

O número de obesos aumenta no mundo a cada dia e a cirurgia bariátrica vem se tornando um importante aliado no tratamento de pacientes com obesidade grau 3. Conheça as 10 coisas que você precisa saber sobre este procedimento.

1 – Gastroplastia, também chamada de Cirurgia Bariátrica, Cirurgia da Obesidade ou ainda de Cirurgia de redução do estomago, é, como o próprio nome diz, uma plástica no estômago (gastro = estômago, plastia = plástica), que tem como o objetivo reduzir o peso de pessoas com o IMC muito elevado.

2 –  Esse tipo de cirurgia está indicado, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) para  pacientes com IMC acima de 35 Kg/m², que tenham complicações como apneia do sono, hipertensão arterial, diabetes, aumento de gorduras no sangue, problemas articulares, ou pacientes com IMC maior que 40 Kg/m², que não tenham obtido sucesso na perda de peso com outros tratamentos.

3-    Existem três tipos básicos de cirurgias bariátricas. As cirurgias que  apenas diminuem o tamanho do estômago, são chamadas do tipo restritivo (Banda Gástrica Ajustável, Gastroplastia vertical com bandagem ou cirurgia de Mason e a gastroplastia vertical em “sleeve”). A perda de peso se faz pela redução da ingestão de alimentos. Existem, também, as cirurgias mistas, nas quais  há a redução do tamanho estomago e também um desvio do trânsito intestinal, havendo desta forma, além da redução da ingestão, diminuição da absorção dos alimentos. As cirurgias mistas podem ser predominantemente restritivas (derivação Gástrica com e sem anel) e predominantemente disabsortivas (derivações bileopancreáticas).

4-  Apesar de cada caso precisar ser avaliado individualmente, a todos aqueles irão realizar a cirurgia devem ser submetidos a  uma avaliação clínico-laboratorial a qual inclui além da aferição da pressão arterial, dosagens da glicemia, lipídeos sanguíneos, e outros exames sanguíneos, avaliação das funções hepática, cardíaca e pulmonar. A endoscopia digestiva e a ecografia abdominal são importantes procedimentos pré-operatórios. A avaliação psicológica também faz parte dos procedimentos pré-operatórios.  Pacientes com instabilidade psicológica grave, portador de transtornos alimentares (como, por exemplo, bulimia), devem ser tratados antes da cirurgia.

5- Na maioria dos casos, com a cirurgia bariátrica, além de perder grande quantidade de peso, o paciente  tem os benefícios da melhora, ou mesmo cura, do seu diabetes, controle da pressão arterial, dos lipídeos sanguíneos, dos níveis de ácido úrico, alívio das dores articulares.

6-  Do ponto de vista nutricional, os pacientes submetidos à cirurgia bariátrica deverão ser acompanhados por longo tempo, com objetivo de receberem orientações específicas para elaboração de uma dieta qualitativamente adequada. Quanto mais disabsortiva for a cirurgia, maior a chance de complicações nutricionais, como anemias por deficiência de ferro, de vitamina B12 e/ou ácido fólico, deficiência de vit D e cálcio e até mesmo desnutrição, nas cirurgias mais radicais. Reposições vitamínicas são feitas após a cirurgia e mantidas por tempo indeterminado. A diarreia pode ser uma complicação nas cirurgias mistas, principalmente na derivação bileopancreática.

7-  A adesão ao tratamento deverá ser avaliada, uma vez que pacientes instáveis psicologicamente podem recorrer a preparações de alta densidade calórica, de baixa qualidade nutricional, que além de provocarem hipoglicemia e fenômenos vasomotores (sudorese, taquicardia, sensação de mal-estar), colocam em risco o sucesso da intervenção à longo prazo, porque reduzem a chance do indivíduo perder peso.

8 – A cirurgia antiobesidade é um procedimento complexo e apresenta risco de complicações. A intervenção impõe uma mudança fundamental nos hábitos alimentares dos indivíduos. Portanto, é primordial que o paciente conheça muito bem o procedimento cirúrgico e quais os riscos e benefícios da cirurgia. Desta forma, além das orientações técnicas, o acompanhamento psicológico e o apoio da família são aconselháveis em todas as fases do processo.

9 –  Em alguns casos, uma cirurgia plástica para retirada do excesso de pele é necessária. A mesma poderá ser feita quando a perda de peso estiver totalmente estabilizada, ou seja, depois de aproximadamente dois anos.

10 – Mulheres que realizam cirurgia bariátrica  devem aguardar pelo menos 15 a 18 meses antes de engravidar. A grande perda de peso logo após a cirurgia pode prejudicar o crescimento do feto.

 

 

Fonte: endocrino.org.br

Anúncios

Cirurgia Bariátrica: Mantenha a saúde e os resultados alcançados

Nos últimos anos, a cirurgia bariátrica, popularmente conhecida como cirurgia de redução do estômago, tem se tornado uma opção bastante importante de tratamento devido o número crescente de indivíduos com obesidade mórbida, ou seja, com Índice de Massa Corporal (IMC) maior que 40.
Apesar de ser um método muito efetivo para o controle da obesidade, uma parte das pessoas que passam por esse tratamento obtém resultados apenas parciais, como perda de peso menor do que o esperado ou recuperação prematura do peso perdido.
Para considerarmos que o tratamento cirúrgico foi satisfatório, é necessário que o paciente, após 5 anos da operação, tenha perdido pelo menos metade do seu excesso de peso. Isso significa que, para uma pessoa de 100kg cujo peso adequado é 60kg, por exemplo, a perda satisfatória será de no mínimo 20kg. Vale lembrar que a maior velocidade de redução do peso corporal ocorre nos primeiros seis meses após a cirurgia, caindo gradualmente a partir daí.
Estudos recentes, onde os pacientes foram acompanhados por vários anos após terem sido operados, verificaram que aproximadamente 20% deles têm algum grau de ganho de peso após a cirurgia. Observou-se também que esse número é menor nos primeiros anos e aumenta quanto maior o tempo pós-operatório.
Um ligeiro ganho de peso após a cirurgia bariátrica nem sempre compromete a saúde e pode refletir apenas uma adaptação do organismo. 
No entanto, recuperar 10% ou mais do peso mínimo que foi atingido é sinal de alerta. Para ter uma idéia do que isso significa, vamos retomar o exemplo anterior da pessoa com 100kg. Após perder os 20kg, atingindo 80kg, ela teria recuperado 8kg.
Nesses casos, e também quando a perda de peso não chega a ser satisfatória, o paciente deve avaliar as causas junto com a equipe multidisciplinar que o acompanha.
Entre os fatores que interferem na intensidade da perda de peso, estão algumas características do próprio organismo, como adaptações hormonais e no trato gastrointestinal que podem acontecer com o passar do tempo, reduzindo o efeito inibidor do apetite que tinha sido alcançado com a cirurgia.
Já foram investigados também certos comportamentos que favorecem a recuperação do peso após a cirurgia. São eles:
– padrão alimentar do tipo “beliscador”: ato de beliscar porções pequenas, que não promovem aquela sensação de “empachamento” característica da compulsão, prejudica a percepção do limite alimentar;
– manter um estilo de vida sedentário;
– cultivar expectativa de resultado rápido;
– não fazer o acompanhamento profissional corretamente no pós-operatório;
– perda de peso insatisfatória nos primeiros meses após o procedimento;
– fatores fisiológicos, como adaptações hormonais e no trato gastrointestinal que podem acontecer com o passar do tempo, reduzindo o efeito inibidor do apetite que tinha sido alcançado com a cirurgia.
O acompanhamento no pós-operatório não se resume a verificar a evolução do peso!
A partir do terceiro mês após a operação, a maioria dos pacientes já tem condições de se alimentar normalmente, respeitando a necessidade de mastigar muito bem os alimentos e de limitar o volume consumido em cada refeição.
Mesmo após a cirurgia existe a necessidade de acompanhamento e tratamento específico com equipe multidisciplinar.
Costumamos esquecer que a obesidade é uma doença crônica, de caráter progressivo, que pode ser controlada por diversos métodos (como o cirúrgico, do qual estamos falando), mas que não tem cura.
A Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM) e o Ministério da Saúde são taxativos ao recomendar que a cirurgia deve ser realizada dentro de um programa de tratamento com atendimento multidisciplinar (médicos, psicólogo, nutricionista entre outros).
A etapa pré-cirúrgica é fundamental para a preparação do paciente, levando em consideração os aspectos clínicos, nutricionais, psicológicos e promovendo um estilo de vida mais ativo.
A fase posterior ao procedimento exige um cuidado especial para prevenir complicações tanto cirúrgicas quanto nutricionais que podem ocorrer devido ao reduzido aporte calórico e à limitação na absorção de nutrientes.
As carências nutricionais mais comuns após a cirurgia bariátrica são das vitaminas A, D, B6, B12 e ácido fólico e dos minerais ferro e zinco.
Os sintomas dessas deficiências costumam ser inespecíficos e os sinais aparecem apenas quando já estão avançadas. Por essa razão, o paciente deve procurar seguir com bastante disciplina as recomendações alimentares pós-cirúrgicas e os níveis de vitaminas e minerais no organismo devem ser monitorados.
O médico, em geral um endocrinologista, realiza uma avaliação ampla da saúde e de sintomas comuns no pós-operatório, como fraqueza e queda de cabelo, alterações do funcionamento intestinal (constipação ou diarreia), vômitos, desidratação, síndrome de dumping (intolerância a alimentos com média a alta concentração de açúcares), intolerâncias alimentares (como carnes, por exemplo), entre outros. Ele solicitará exames específicos, avaliando a necessidade de prescrição de medicamentos e/ou suplementos e de encaminhamento para outras especialidades, como cardiologista.
Com relação à alimentação, a partir do terceiro mês após a operação, a maioria dos pacientes já tem condições de se alimentar normalmente, respeitando a necessidade de mastigar muito bem os alimentos e de limitar o volume consumido em cada refeição. As orientações nutricionais visam auxiliar o paciente a manter bons hábitos alimentares, substituindo alimentos para os quais houver intolerância, realizando os ajustes necessários para suprir e prevenir carências nutricionais, sinalizando ao médico os nutrientes para os quais a ingestão está insuficiente, que avaliará se convém a suplementação.
As consultas médicas e nutricionais são realizadas em geral semanalmente no primeiro mês pós-cirúrgico, mensalmente até completar o primeiro ano após o procedimento e a cada três meses no segundo ano, podendo passar a ser semestrais a partir daí.
 
A freqüência do acompanhamento no segundo ano após a cirurgia será maior ou menor, dependendo do grau de adesão apresentado pelo paciente às recomendações alimentares e de atividade física, e do grau de melhoria ou controle alcançado no tratamento das doenças associadas ao excesso de peso, como hipertensão e diabetes.
O acompanhamento psicológico após a cirurgia é um fator de grande importância no apoio às mudanças de comportamento necessárias e para lidar com as expectativas e as mudanças corporais.
A cirurgia bariátrica no Brasil
Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), o volume de cirurgias realizadas no país em 2012 atingiu o marco de 72 mil operações.
O bypass gástrico (figura ao lado) é a técnica bariátrica mais praticada no Brasil, devido a sua segurança e, principalmente, sua eficácia. Esse procedimento leva à redução do peso corporal pela combinação de duas estratégias: o grampeamento de parte do estômago, que reduz o espaço para o alimento, e um desvio da porção inicial do intestino, que influencia na liberação de certos hormônios responsáveis pelo sinal de saciedade, reduzindo a fome. Além do emagrecimento, a cirurgia tem impacto positivo no controle do diabetes e outras doenças, como a hipertensão arterial e apneia obstrutiva do sono.
Fonte: www.scielo.br/pdf/ramb/v57n1/v57n1a25.pdf