AKTA liv – Proposta

Prosposta 

O objetivo do AKTA liv D é tratar a causa inicial do diabetes, o aumento da necessidade de insulina pelo corpo devido à gordura abdominal.
A proposta é diminuir a gordura abdominal e recuperar a produção de insulina pelo pâncreas através do programa com base na alimentação, metabolismo e comportamento dividido em quatro fases.

  •  Alimentação

Fase Inicial – com a diminuição da quantidade de carboidrato inicial há uma perda de peso somada a restauração da função do pâncreas.

Fase Intermediária – após a diminuição da quantidade de gordura abdominal somada à melhora do pâncreas ocorre uma reeducação alimentar, com posterior aumento gradativo do metabolismo.

Fase Final – manutenção dos resultados de acordo com o metabolismo individual.

  • Metabolismo e Comportamento

Em cada uma das fases do programa será feito um tratamento para manter metabolismo e evitar sua queda ao longo da perda de peso e um tratamento comportamental através de um coaching cognitivo-comportamental para que haja uma mudança definitiva em longo prazo evitando voltar para a situação inicial uma vez que o diabetes é uma doença crônica.

Os principais objetivos do tratamento com AKTA liv D são tratar a causa inicial do diabetes, diminuir ou suspender a quantidade medicações usadas, diminuir e evitar complicações relacionadas ao diabetes, como por exemplo, gordura no fígado (esteatose hepática) e problemas no coração e manter os resultados alcançados.

  • Resultados

Este programa está embasado em recentes estudos da literatura que tem como objetivo um tratamento inicial específico seguido de uma reeducação e manutenção em longo prazo. Através do tratamento da causa inicial do diabetes e uma mudança comportamental os resultados dos pacientes são motivadores e surpreendentes. Esta proposta de tratamento necessita de acompanhamento médico de um especialista em endocrinologia e metabologia para monitorização e orientação dos pacientes.

Três pacientes com perfis e estilos de vida diferentes fizeram o tratamento AKTA liv. Cada um recebeu diagnóstico antes e depois do procedimento e em todos os casos os resultados foram satisfatórios e melhoraram a qualidade de vida dos portadores de diabetes. Veja a evolução dos casos entre 30 e 60 dias de tratamento.

resultados pacientes

Os 3 pilares

São três pontos básicos e definitivos para ter um tratamento completo e eficaz:

maça verdeAlimentação

A estabilidade do peso corpóreo ocorre devido ao equilíbrio entre a quantidade de calorias ingeridas com a dieta e a quantidade de calorias consumidas pelo organismo. Quando ocorre um desequilíbrio nesta relação, as calorias em excesso são estocadas na forma de gordura levando ao ganho de peso.
A alimentação no AKTA liv é uma proposta personalizada de acordo com o metabolismo basal, meta de peso e motivação individual, que é avaliada e discutida pela equipe médica e de nutricionistas com o paciente.
A proposta original e mais utilizada é uma dieta de baixo valor calórico composta de proteínas de alto valor biológico ajustada ao metabolismo de cada organismo o que possibilita uma perda de peso rápida evitando entrar no platô metabólico durante o tratamento. A perda de peso acentuada nas primeiras etapas, sem sensação de fome e com disposição física, se deve ao processo desencadeado através desta proposta alimentar.

Metabolismo

A taxa metabólica basal é o principal componente do gasto energético diário e sofre influência de diversas variáveis sendo que em alguns pacientes a quantidade de calorias gasta por dia é baixa constitucionalmente. Além disso, durante o processo de perda de peso, ocorre uma diminuição deste metabolismo como mecanismo de alerta.
A proposta AKTA liv leva em consideração o metabolismo inicial e a quantidade de peso a ser perdido para que o paciente consiga atingir seu peso alvo e evite entrar no platô. O aumento do metabolismo é feito através da atividade física funcional, aumento da termogênese e o processo de gradação.
A atividade física funcional tem como proposta o aumento de massa muscular que aumenta a taxa metabólica basal.
O aumento da termogênese e o processo de gradação, que consiste na reintrodução em etapas dos alimentos têm como objetivo a reeducação e também o aumento metabólico, para que não haja reganho na fase de manutenção.

balança

Comportamento

Estudos científicos apontam que 92% das pessoas que tratam peso apresentam o que chamamos de “efeito sanfona”, uma vez que o tratamento se restringe a dietas e a medicações sem tratar a causa do ganho de peso – o comportamento.
Quando falamos em tratar comportamento é adequar a nossa alimentação ao nosso metabolismo. Alguns pacientes comem por ansiedade ou compulsão, comendo mais do que gastam. Outros pacientes tem um metabolismo mais baixo, o que faz com que ganhem peso facilmente. Em qualquer um dos casos, adequar nossa alimentação a nossa realidade corporal é importante, sendo necessário trabalhar limites, escolhas, vontades, entre outros tópicos relacionados ao ato de comer.
O método de coaching comportamental tem como proposta mudanças definitivas através de técnicas já comprovadas na forma de como nos relacionamos com a comida, ansiedade e organização, com o objetivo de trazer saúde, qualidade de vida e bem estar.

Atividade estomacal noturna pode explicar obesidade

dislipidemia

As células do estômago, que funcionam como uma espécie de relógio neural para reduzir o apetite durante a noite, podem ser a chave para entender a tendência à obesidade e ao diabetes das pessoas que não têm turnos regulares de trabalho, segundo um estudo divulgado na Austrália.

Os nervos que ficam nas paredes musculares ao redor do estômago, cuja função principal é emitir sinais para dar a sensação de plenitude, são a base do estudo de um grupo de cientistas australianos da Universidade de Adelaide.

O grupo de pesquisadores, liderados por Stephen Kentish, utilizou ratos de laboratório para estudar as respostas de um grupo de nervos situados nas paredes musculares ao redor do estômago durante um período de 24 horas.

Os cientistas mediram a atividade dos nervos quando as paredes do estômago estavam estiradas em intervalos de três horas entre as 6 da manhã até as 3 da madrugada do dia seguinte.

Assim descobriram que os nervos eram menos sensíveis ao estiramento do estômago quando os ratos estavam normalmente acordados, enquanto eram mais sensíveis quando os animais estavam dormindo, o que permitia que o cérebro recebesse a sensação de estar saciado mais rápido, aplacando a vontade de comer.

Os pesquisadores observaram que as células atuam como uma espécie de relógio neural no estômago para regular a quantidade de comida necessária e obter a sensação de plenitude.

Kentish e seus companheiros sustentam que esse mesmo mecanismo existe nos seres humanos e esperam poder vincular os resultados da pesquisa ao entendimento dos hábitos alimentícios das pessoas que sofreram variações em seus relógios circadianos.

“Sabemos que as condições metabólicas como a obesidade e o diabetes são mais comuns nos trabalhadores com diversos turnos e nas pessoas que não têm um ciclo consistente de luz e escuridão”, ressaltou o cientista.

 

 

Fonte: atarde.uol.com.br

O que fazer para acelerar o metabolismo ?

acelerar o metabolismo

Saiba o que a ciência aconselha a fazer para incrementar a queima de calorias

Começo da semana, aniversário, virada do ano são datas marcantes na agenda de muita gente que decide se livrar das gorduras extras e, assim, afinar as medidas. Só que, no momento de botar o plano em prática, vem à cabeça uma porção de obstáculos que emperrariam o sonho do corpo em forma. Nesse momento, a culpa recai quase sempre sobre uma palavrinha mágica, o metabolismo. E aí soltamos ou ouvimos a boa e velha frase: “Tenho dificuldade de emagrecer porque meu metabolismo é lento”. A essa corriqueira desculpa a ciência responde: isso não passa de balela!

A queima de calorias não depende exclusivamente da idade biológica ou da maquinaria interna que faz o organismo funcionar. Ele reage, na verdade, aos estímulos gerados por nossos hábitos. Essa é a conclusão de um estudo da Universidade Justus-Liebig, na Alemanha, após acompanhar por quase uma década mais de 500 homens e mulheres acima dos 60 anos. Os especialistas perceberam que o metabolismo permanecia mais ativo entre as pessoas que faziam exercícios físicos rotineiramente. “O gasto energético até desacelera com o avançar da idade, mas o estilo de vida, sobretudo a prática de esportes, minimiza esse declínio”, afirma a fisiologista do exercício Ivani Manzzo, professora da Universidade Nove de Julho, em São Paulo. Isso significa que ajustes no dia a dia — e aqui entram a malhação, o cardápio e até a qualidade do sono — incentivam a gente a tostar calorias e, assim, perder peso ou conservá-lo no patamar ideal.

Mas, afinal, o que se entende por metabolismo? O termo resume uma gama de reações fisiológicas que controlam o saldão ou o estoque de energia para manter o corpo vivo. “O gasto calórico está baseado principalmente no metabolismo basal, que é o consumo de energia em repouso capaz de assegurar nossas funções vitais, e nos efeitos da atividade física e da dieta”, explica a nutricionista Regiane Lopes de Sales, da Universidade Federal de Viçosa, em Minas Gerais. Acontece que algumas atitudes diárias fazem as engrenagens do corpo humano rodarem mais rápido, ou seja, elevam o ritmo com que usamos nossas reservas mesmo horas depois de suarmos a camisa ou terminar a refeição.

Antes de explorarmos um dos principais pilares que sustentam o metabolismo acelerado, devemos esclarecer que o gasto calórico tende a variar um pouco de pessoa para pessoa — é claro que há exceções à regra, que conspiram a favor da obesidade. E ele responde diretamente à atividade dos hormônios. “Os homens costumam ter mais facilidade para manter-se em forma por causa do nível elevado de testosterona, que aumenta o consumo energético”, diz Ivani. Já no corpo feminino, a gestação e a menopausa também repercutem nesse enredo e não é à toa que muitas mulheres engordam depois de ter o bebê ou parar de menstruar.

No entanto, é possível prevenir e inclusive remediar, pelo menos em parte, a situação. A chave que aciona as engrenagens, independentemente do sexo e da idade, é a tão receitada atividade física, conduta básica para impedir que o organismo não venha a se tornar uma poupança descomunal de calorias. “Os exercícios deixam as células mais sensíveis à ação de alguns hormônios, o que acaba intensificando o gasto calórico”, conta a bioquímica Viviane Abreu, professora da Universidade de São Paulo.

Não é novidade que a malhação enxuga os reservatórios de gordura. Mas há algumas táticas, que, com aval científico, ativam o metabolismo não apenas no período que se passa na academia. Com elas, o dispêndio de calorias se prolonga depois da sessão de exercício. Comecemos com a musculação. “Ela propicia microlesões nos músculos e o reparo delas demanda maior trabalho do corpo”, explica o educador físico Marcio Scomparin, da rede Monday Academia, na capital paulista. Fora isso, a musculatura é um tecido guloso por natureza. Assim, se ela for constantemente exigida, a energia é usada e não se acumula na forma de gordura.

A intensidade e o ritmo também instigam a liquidação calórica. Daí a vantagem do treino intervalado, que combina caminhada leve e corrida, por exemplo. Ao alterar a frequência cardíaca, ele faz o corpo entender que precisa continuar mais pilhado. E o efeito permanece até três horas após o esforço. Só não caia na tentação de conservar por meses a fio os mesmos tempos, as mesmas cargas… “Aí o corpo se adapta e aquilo vira rotina. O treino deve sofrer variações depois de um a três meses”, diz Scomparin.

O metabolismo, contudo, não gira em função exclusiva da atividade física. Ele também é influenciado pela dieta. “Alguns alimentos exercem um efeito termogênico, isto é, aumentam a temperatura corporal, ocasionando maior desembolso de calorias”, diz a nutricionista Elaine de Pádua, de São Paulo. Só devemos levar em conta que esse fenômeno tem um limite e depende da ingestão diária de certos nutrientes. “Ele corresponde a até 10% do consumo energético no organismo”, estima Regiane Lopes de Sales.

E quem está por trás do efeito termogênico? A proteína tem larga vantagem sobre outros macronutrientes — carboidratos e gorduras. É por isso que cardápios altamente proteicos facilitam a perda de peso. “No entanto, esse tipo de dieta não é fácil de ser seguida e muita gente se vale dela de forma equivocada. Isso porque boa parte das fontes de proteína, como carnes, são também carregadas de gordura”, ressalva Regiane. A saída, nesse caso, é incrementar as doses do nutriente, mas procurar cortes magros e variar as opções à mesa — peixes e legumes também contribuem com essa cota.

Recentemente, averiguou-se que tipos específicos de lipídio teriam capacidade de fazer a temperatura corporal subir e, assim, torrar mais calorias. Uma pesquisa da Universidade Federal do Rio de Janeiro aposta suas fichas nas substâncias encontradas no óleo de coco virgem. Regado sobre a refeição, ele induziria mais termogênese e saciedade. Só vale lembrar que, se o assunto é perder peso, o óleo deve fazer parte de um menu balanceado, sem direito a exageros.

Há, na realidade, uma fornada de substâncias sob investigação com potencial para esquentar o organismo e fazê-lo derreter seus estoques gordurosos. Já demonstraram sua eficácia a capsaicina, da pimenta e do gengibre, e a catequina, do chá verde. E sabe aquela história de que água gelada emagrece? Pois uma investigação do Sheba Medical Center, em Israel, comprovou que ela tem mesmo essa vocação. “A hidratação dos músculos faz com que eles dispensem mais energia”, acredita o autor, Gal Dubnov-Raz. Com o líquido frio, o corpo sofre uma espécie de estresse e gasta calorias para entrar em equilíbrio de novo.

Embora os exercícios somados ao cardápio representem a principal forma de mexer com o metabolismo, ainda há outros fatores que interferem nele de forma mais indireta. Como toda ajuda é bem-vinda na hora de expulsar a gordura excedente, vale a pena analisá-los e, o principal, adotar algumas estratégias que, segundo novas pesquisas, dão aquele empurrão no extermínio calórico. Uma delas é a quantidade e a qualidade do sono. Sabe aquela conversa de que dormir ajuda a emagrecer? Ela tem fundamento se considerarmos a influência das horas sobre a cama no balanço energético. “A privação de sono tem um efeito até mesmo imediato, deixando o metabolismo mais lento logo no dia seguinte”, diz o neurologista Walter Moraes, da Universidade Federal de São Paulo.

O que acontece de bom quando a gente está deitado e sonhando? “É no sono que o corpo libera o hormônio do crescimento, fundamental para conservar a massa muscular nos adultos”, explica Moraes. Além disso, sob repouso, o organismo regula a produção de leptina, hormônio envolvido com a saciedade. Quem foge do travesseiro fica mais mole, com uma musculatura menos sedenta de energia e, na contramão, persiste com a fome de leão.

Muitas vezes, não é que a gente queira deixar de dormir, mas algo dificulta a tarefa de pregar os olhos. Como você deve saber, o principal patrocinador de noites em claro é o estresse. Minimizá-lo, por meio de atividades prazerosas e esportes, melhora não só o descanso como ainda tira da frente outro sabotador do metabolismo. A tensão faz o corpo, num primeiro momento, aniquilar calorias. Quando se torna crônica, porém, o tiro sai pela culatra. “Essa condição aumenta o apetite e favorece o acúmulo de gordura”, avisa a endocrinologista Cintia Cercato, da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica.

Até banhos de sol incentivam o organismo a dar adeus aos pneus. O benefício, nesse caso, não vem do calorão que baixa sobre a pele, mas, sim, da vitamina D. Um trabalho da Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos, aponta que o nutriente obtido via exposição solar ajuda a regular o metabolismo e a murchar a barriga. Agora não tem desculpa: chegou o verão, é hora de emagrecer de vez.

 

Quem rege o metabolismo

O balanço energético que garante a nossa sobrevivência depende de um conjunto de reações químicas protagonizadas especialmente por hormônios. O regente da orquestra é o hipotálamo, área do cérebro que controla a fome, a saciedade e a temperatura interna. Também participam dessa história os músculos, o fígado, os rins e o tecido adiposo, que guardam ou proveem energia em situações de estresse e emergência.

 

Treinos que torram calorias

As práticas e os macetes que dão um gás ao metabolismo

Foto: Getty Images

 

 

Musculação
Levantar peso ajuda a expandir a massa magra em detrimento da gorda e os músculos exigem mais energia para serem mantidos na ativa. Além disso, o reparo das fibras musculares por si só eleva o gasto calórico. Só não se esqueça de que o número de séries e as cargas devem mudar de tempos em tempos para o corpo não se acostumar.

 

Treino intervalado
Ele pode ser aplicado às modalidades aeróbicas ou à musculação. No primeiro grupo, trata-se de alternar, por exemplo, caminhada e corrida intensa. No segundo, pode-se misturar exercícios para os braços ou pernas com corridas ou pedaladas. Como o corpo não descansa totalmente, o gasto energético dispara — e isso persiste algumas horas após o treino. “Esse programa esgota mais rapidamente os estoques de glicose e obriga o organismo a queimar gordura”, explica a educadora física Ana Dâmaso, da Universidade Federal de São Paulo.

 

Exercícios vigorosos
Uma nova pesquisa da Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, revela que combinações de exercícios que trabalham ao máximo o aproveitamento de oxigênio fazem a queima de energia perdurar até 14 horas depois do suadouro. Os treinos propostos por boxe e artes marciais podem proporcionar efeito parecido devido à sua intensidade.

 

Anabolismo e catabolismo
Esses dois palavrões têm tudo a ver com o equilíbrio energético. Enquanto o primeiro se refere à faculdade de armazenar fontes de energia, o segundo se reporta à quebra de moléculas que são usadas pelo corpo como combustível em períodos de necessidade. A dupla trabalha em sincronia e o resultado é o que conhecemos por metabolismo. Quando o processo catabólico se acentua, por mudanças de hábito, a gente perde peso.

 

Trocas à mesa pró-metabolismo

No que maneirar e no que investir para elevar a queima de calorias

Foto: Getty Images

Menos desses…

Gorduras saturadas e trans

Fornecidas pelas carnes e por produtos industrializados, elas fazem com que o tecido adiposo fique mais volumoso quando ingeridas em excesso.

 

Açúcar

Ele é rapidamente absorvido na circulação e, assim, convertido ligeiro em energia. Quando se abusa, porém, desequilibra, com o tempo, a produção de insulina e o excedente de glicose se deposita na forma de gordura.

 

Massa refinadas

O raciocínio é semelhante ao do açúcar. Quem exagera nas massas brancas corre mais risco de engordar e ganhar barriga. Prefira as integrais, enriquecidas com fibras, que regulam os picos de glicose no sangue e prolongam a saciedade, além de demandarem mais energia para serem digeridas.

 

…E mais desses

 

Proteína

Ela cobra mais trabalho do corpo para ser quebrada no sistema digestivo e eleva a temperatura interna. Priorize cortes magros e sirva-se de peixes e legumes.

 

Gengibre e pimenta

Eles abrigam capsaicina, substância que faz a temperatura corporal decolar. Só não adianta comer uma vez por semana. O consumo dever ser diário.

 

Chás verde e branco

Eles têm catequinas, que elevam o gasto energético e maximizam a eliminação dos pneus.

 

Leite e derivados

O cálcio ofertado por eles reduz a absorção de ácidos graxos e aumenta a capacidade do corpo de esvaziar os depósitos adiposos.

 

Óleo de coco virgem

Alvo de pesquisa recente, ele tem substâncias que disparam a temperatura do organismo e controlam o apetite desenfreado.

 

Fat burners funcionam?

Os suplementos que prometem eliminar as gordurinhas viraram febre nas academias. Mas um levantamento da Universidade de Birmingham, na Inglaterra, pontua que ainda faltam evidências sobre sua eficácia. “Muitos deles possuem hormônios que até aceleram o metabolismo, mas podem ter efeitos colaterais”, diz o endocrinologista Renato Zilli, do Hospital e Maternidade São Luiz, em São Paulo.

 

 

Doenças que pisam no freio metabólico

Algumas desordens boicotam o balanço energético e dificultam o emagrecimento. Fique de olho

 

Hipotireoidismo

O déficit na produção dos hormônios da tireoide faz todo o corpo trabalhar em ritmo preguiçoso. O metabolismo desacelera e, aí, o indivíduo tende a engordar. Felizmente, a reposição hormonal reverte o problema.

 

Constipação intestinal

Esse distúrbio, mais comum em mulheres e idosos, pode ser indício de um gasto calórico abaixo da média e ainda piora o quadro porque estorva a absorção de nutrientes, entre eles os termogênicos.

 

Déficit de testosterona

A queda nas taxas do hormônio masculino corta um estímulo natural aos músculos, que são grandes consumidores de energia, e favorece o acúmulo de calorias na forma de gordura.

 

Males hepáticos

Quando o fígado sofre por causa do excesso de gordura ou da cirrose, ele perde parte da capacidade de produzir moléculas que aceleram as reações químicas do organismo e de disponibilizar glicose quando necessário.

 

A antigordura

É o tecido adiposo marrom, que vem sendo cada dia mais estudado como promessa no combate à obesidade. Diferentemente da gordura branca, que armazena energia, esse outro tipo utiliza calorias para manter a temperatura do corpo num estágio adequado. Como suas reservas são pequenas comparadas ao tecido branco, avaliam-se formas de intervir e aumentar sua concentração.

 

Fonte: mdemulher.abril.com.br

Como acelerar o metabolismo?

œ§hš

 

Se você está com alguns quilos a mais e muita dificuldade em perdê-los, é muito comum colocar a culpa no metabolismo preguiçoso. Mas será ele o verdadeiro culpado? Mais do que isso, o que você realmente pode fazer para acelerar o seu metabolismo? 

O que é o Metabolismo? 
O metabolismo é um conjunto de hormônios e enzimas que transformam calorias (comida) em energia, de uma maneira mais ou menos eficiente. 

É ele quem estabelece o ritmo no qual você queima as calorias que consome e também o responsável pela velocidade com a qual você gasta ou acumula estas calorias. 

O seu metabolismo sofre diversas influências como idade (o metabolismo identifica cerca de 5% a cada década após os 40 anos), sexo (homens queimam mais calorias do que as mulheres), quantidade de massa magra (músculo) presente (quanto maior, mais rápido o metabolismo) e hereditariedade. 

Ocasionalmente, problemas de saúde como o hipotireoidismo ou deficiência de outros hormônios também podem lentificar o metabolismo. 

“problemas de saúde como o hipotireoidismo ou deficiência de outros hormônios também podem lentificar o metabolismo”.

Acelerando o seu “motor” 

Embora existam fatores difíceis de serem modificados, felizmente existem maneiras para acelerar o seu gasto diário de calorias. A melhor forma é a pratica regular de atividade física, que deve incluir exercícios aeróbicos e de fortalecimento muscular, o que vai ajudá-lo a manter o seu ritmo metabólico a longo prazo. 

As células presentes nos músculos queimam calorias mais rapidamente do que as células de gordura, mesmo durante o repouso. 

Estudos revelaram que cada quilo de massa muscular queima 70 calorias por dia, enquanto cada quilo de gordura queima apenas quatro calorias por dia. 

Embora 30 minutos de exercícios aeróbicos queimem mais calorias do que 30 minutos de fortalecimento muscular (musculação), nas horas seguintes ao exercício físico, é a musculatura trabalhada que será a responsável por sustentar o seu aumento no gasto metabólico. Em outras palavras, ter mais músculos significa que você pode comer mais e ganhar menos peso. 

Coma mais vezes e queime mais rápido 
Quanto mais vezes você come, mais rápido queimará calorias. Porções menores e mais frequentes ajudam a manter o seu metabolismo sempre em alerta. 

O contrário também vale: se você passa muitas horas sem comer ou “pula” refeições, o seu metabolismo fica muito lento, poupando o gasto de energia. 

Outro fator importante é que pessoas que “lancham” entre as principais refeições, tendem a comer uma menor quantidade durante o almoço e jantar, o que leva a uma diminuição expressiva da quantidade de calorias ingeridas diariamente, resultando em um aumento da taxa metabólica e uma diminuição da gordura corporal. 

Comidas que aceleram a queima calórica
Proteínas necessitam cerca de 30% a mais de energia para serem digeridas. Então, em teoria, lanches ricos em proteínas são melhores, porém, nada de concreto foi descoberto a cerca de comidas que ajudam a queimar calorias. 

Alguns itens como pimenta-vermelha e chá-verde têm propriedade de acelerar a taxa metabólica basal nos 30 minutos seguintes a sua ingesta, mas esses benefícios não são suficientes para gerar uma perda de peso significativa. 

Em resumo, para acelerar o seu metabolismo, nada melhor do que aumentar a sua massa muscular, comer uma dieta rica em proteínas em mais vezes e menor quantidade. 

 

 

Fonte: minhavida.com.br

Obesidade: poucas horas de sono podem gerar acúmulo de peso

insonia

 

 Sabemos que a genética desempenha um fator importante na determinação do peso corporal, ou seja, se um indivíduo tem uma “tendência” ou predisposição a ser mais magro ou não. Entretanto, os fatores ambientais como hábitos alimentares ruins e sedentarismo são considerados como principais vilões em relação aos índices crescentes de obesidade vistos em todo o mundo.

Entre as variáveis importantes que determinam o peso corporal destaca-se também a capacidade de uma pessoa dormir adequadamente à noite ou o que se chama: “padrão de sono noturno”. Acredita-se que um sono ruim teria papel central na predisposição a ganho de peso e até possa prejudicar o emagrecimento. Infelizmente, o número de jovens adultos com duração de sono inferior a sete horas por noite é muito alto (quase 40%).

“Diversos estudos indicam que pessoas que dormem menos de 6 horas por noite têm maior chance de se tornarem obesas”.

Existem alguns distúrbios do sono, por exemplo, como a síndrome de apneia obstrutiva do sono, na qual a pessoa tem pausas respiratórias, às vezes prolongadas, durante o sono associado em geral a ronco,“leva a uma grande dificuldade de perda de peso e pior, até ganho!” Isto acontece porque durante o episódio da apneia, há a parada do fluxo respiratório, liberação de hormônios (insulina, adrenalina, cortisol) que geram ganho peso. ”Sim, é como se estivéssemos comendo um bolo de chocolate enquanto dormimos” como por exemplo.

“O reconhecimento, então, da síndrome de apneia obstrutiva do sono é fundamental em pessoas que querem perder peso ou não estão conseguindo e seu tratamento não somente ajuda no processo de emagrecimento, mas também auxilia no controle da pressão arterial e até do diabetes, quando presentes”,

 

 

Fonte: exame.abril.com.br

 

Como acelerar o metabolismo ?

Como-acelerar-o-metabolismo

 

Em todo lugar quando procuramos informações de qualidade de vida ou dieta só se fala em metabolismo, principalmente quando estamos tentando perder peso ou com planos demelhorar a saúde, já percebeu isto? Mas … Você realmente sabe o que é?

Pensando em tirar todas as dúvidas,o IMulher hoje vai explicar qual o funcionamento dele no corpo e também dar alguns truques de como acelerar o metabolismo e o que fazer para aprender a equilibrá-lo para controlar o seu peso.

Bom, o que mais sabemos é que se o metabolismo é lento a tendência é engordar, e quando de alguma forma, aceleramos ele emagrecemos. Porém, o metabolismo é responsável pela regulação de várias funções importantes no nosso corpo e muito mais do que um estipulador de medidas. Confira tudo!

O que é metabolismo?

Para começar, é preciso entender o que é o metabolismo. O médicos dizem que ele é a capacidade de queimar calorias, que é por isso que é tão relacionada ao peso corporal e à facilidade que uma pessoa pode ter para emagrecer ou não.

Como aumentar o metabolismo

Se você quer perder peso, faça o trabalho do metabolismo à seu favor, para isso você precisa mudar alguns de seus hábitos que aumentem sua velocidade. São alterações simples, mas que no geral irá resultar em boa saúde e a barriga dos sonhos.

Listamos algumas dicas para melhorar o seu metabolismo:

Exercícios

Como-acelerar-o-metabolismo-2.jpgSabemos que o exercício físico desempenha um papel importante tanto na manutenção de sua saúde quanto no controle de peso. Mas não há necessidade de ficar mais do que duas horas na academia: uma vez que até mesmo simples movimentos, como você faz quando a limpeza, subir escadas,malhar em casa ou caminhar algumas quadras para ajudar a queimar gordura e, assim, perder peso. Além disso, quando você se exercita aumenta a temperatura do corpo que também acelera o metabolismo.

Alimentação

Como-acelerar-o-metabolismo-3.jpgHá alimentos que aumentam o seu metabolismo: neste caso, as proteínas são os protagonistas. Inclua na sua dieta muitas proteínas, frutas e legumes, enquanto isso, dimunua os carboidratos. Outro ponto é que, quanto mais você comer, mais rápido fica o corpo.Você não deve ficar mais do que 3 horas sem se alimentar e nunca passar de 12 horas. Isso se aplica à noite também, então você comece o dia com um café-da-manhã completo sempre.

Dormir

Como-acelerar-o-metabolismo-1.jpgSe precisa equilibrar seu metabolismo você irá aumentar as atividades do dia, certo? Mas é necessário compensar isso, portanto é aconselhável ter pelo menos 6 a 8 horas de sono.

Agora que você sabe um pouco mais sobre o metabolismo e algumas formas de equilibrar isso, não deixe de começar a cuidar do corpo e da saúde agora mesmo.

 

 

 

Fonte: imulher.com