Akta Liv Emagracimento

A proposta AKTA liv é originada de estudos europeus que demonstraram a importância do tratamento integrado de alimentação, metabolismo e comportamento para o tratamento do excesso de peso.

  • O significado do nome

AKTA liv significa cuidados com a vida. Estes cuidados se referem ao peso e alimentação que são partes fundamentais para alcançar a saúde e bem estar.
A proposta não é mais um tratamento para perda de peso, é um tratamento que tem como base a mudança individual comportamental.
Dentro da dinâmica de vida atualmente imposta nas grandes cidades acumulamos deveres e responsabilidades e nos esquecemos do compromisso com nós mesmos de estarmos bem.
O processo é direcionado às pessoas que querem melhorar seu peso e alimentação, ou para aquelas que apenas desejam retomar alguns princípios de equilíbrio, bem estar e cuidados com a sua vida.

  • A Proposta AKTA liv

O programa AKTA liv é baseado em 3 pilares fundamentais, a alimentação, o metabolismo e o comportamento, o que possibilita a motivação e controle necessários para perda de peso, assim como as mudanças e conscientização necessárias para a manutenção dos resultados a longo prazo. O processo de emagrecimento é dividido em 4 fases: redução do peso, reeducação alimentar, aumento metabólico e manutenção.

  • Resultados

Mais de 90% das pessoas que realizaram a proposta perderam o peso desejado com manutenção a longo prazo devido aos dois processos principais: reeducação comportamental e aumento do metabolismo que é realizado durante o processo.
Para pacientes diabéticos temos o AKTA liv Diabetes com tratamento direcionado.
Todo o tratamento é feito por uma equipe multidisciplinar especializada no método e com acompanhamento médico regular.

Boa alimentação

AKTA liv – Alimentos

Os alimentos têm em sua composição proteína, gordura e carboidrato. As proteínas são compostos funcionais importantes para a manutenção das atividades no nosso corpo. As gorduras e carboidratos têm como função gerar energia para as nossas atividades.

A forma como estes carboidratos estão nos alimentos pode fazer com que a glicemia possa aumentar ou não mais rápido no sangue.

Quanto maior a quantidade de fibras menor a velocidade de absorção dos carboidratos e menor o pico de açúcar no sangue. Desta forma alimentos integrais que possuem uma quantidade maior de fibras são mais saudáveis para pacientes diabéticos do que os alimentos com carboidratos simples ou açúcar livre, no qual ocorre uma absorção mais rápida da glicemia e com isso um pico de glicose no sangue que é prejudicial ao nosso corpo.

Pacientes com diabetes tipo 1 e alguns com diabetes tipo 2, precisam de medicação ou insulina porque não conseguem produzir a quantidade suficiente que o corpo precisa para controlar o açúcar e carboidrato ingerido nas refeições. Isso faz com que a glicemia se eleve caso não haja medicação ou insulina pré-refeição.

O AKTA liv Alimentos tem como objetivo oferecer alimentos sem carboidrato que podem ser utilizados por portadores de diabetes no café da manhã ou lanches para evitara aumento dos valores de glicemia nos intervalos das refeições ou a necessidade do uso de insulina nas refeições intermediárias.

Mais sobre AKTA liv - Alimentos

  • O que é?

O AKTA liv Alimentos é um alimento composto de proteínas de alto valor biológico, com menos de 1% de carboidrato e gordura na sua composição. Para pacientes diabéticos, a substituição de lanches por estes alimentos possibilita manter componentes funcionais do organismo sem que haja aumento dos valores de glicemia.

  • Como utilizar?

Os Alimentos AKTA liv podem ser utilizados no café da manhã ou lanches. Não deve ser substituídos em todas as refeições. É necessária a supervisão e acompanhamento médico para orientação e ajuste de medicação individual.

Para Diabéticos tipo 1

Pacientes diabéticos tipo 1 tem que aplicar insulina sempre que ingerem qualquer alimento com carboidrato. Desta forma a substituição das pequenas refeições por alimentos sem carboidrato poderia trazer conforto e praticidade para não ser necessária a aplicação de insulina na escola ou trabalho nos intervalos.

Os alimentos AKTA liv podem ser utilizados no café da manhã ou lanches. Não devem ser substituídos por todas as refeições. Nas outras refeições o paciente deverá seguir o tratamento e alimentação sugeridos por seu médico. É necessária supervisão e acompanhamento médico para orientação e ajuste de medicação individual.

Os 3 pilares

São três pontos básicos e definitivos para ter um tratamento completo e eficaz:

maça verdeAlimentação

A estabilidade do peso corpóreo ocorre devido ao equilíbrio entre a quantidade de calorias ingeridas com a dieta e a quantidade de calorias consumidas pelo organismo. Quando ocorre um desequilíbrio nesta relação, as calorias em excesso são estocadas na forma de gordura levando ao ganho de peso.
A alimentação no AKTA liv é uma proposta personalizada de acordo com o metabolismo basal, meta de peso e motivação individual, que é avaliada e discutida pela equipe médica e de nutricionistas com o paciente.
A proposta original e mais utilizada é uma dieta de baixo valor calórico composta de proteínas de alto valor biológico ajustada ao metabolismo de cada organismo o que possibilita uma perda de peso rápida evitando entrar no platô metabólico durante o tratamento. A perda de peso acentuada nas primeiras etapas, sem sensação de fome e com disposição física, se deve ao processo desencadeado através desta proposta alimentar.

Metabolismo

A taxa metabólica basal é o principal componente do gasto energético diário e sofre influência de diversas variáveis sendo que em alguns pacientes a quantidade de calorias gasta por dia é baixa constitucionalmente. Além disso, durante o processo de perda de peso, ocorre uma diminuição deste metabolismo como mecanismo de alerta.
A proposta AKTA liv leva em consideração o metabolismo inicial e a quantidade de peso a ser perdido para que o paciente consiga atingir seu peso alvo e evite entrar no platô. O aumento do metabolismo é feito através da atividade física funcional, aumento da termogênese e o processo de gradação.
A atividade física funcional tem como proposta o aumento de massa muscular que aumenta a taxa metabólica basal.
O aumento da termogênese e o processo de gradação, que consiste na reintrodução em etapas dos alimentos têm como objetivo a reeducação e também o aumento metabólico, para que não haja reganho na fase de manutenção.

balança

Comportamento

Estudos científicos apontam que 92% das pessoas que tratam peso apresentam o que chamamos de “efeito sanfona”, uma vez que o tratamento se restringe a dietas e a medicações sem tratar a causa do ganho de peso – o comportamento.
Quando falamos em tratar comportamento é adequar a nossa alimentação ao nosso metabolismo. Alguns pacientes comem por ansiedade ou compulsão, comendo mais do que gastam. Outros pacientes tem um metabolismo mais baixo, o que faz com que ganhem peso facilmente. Em qualquer um dos casos, adequar nossa alimentação a nossa realidade corporal é importante, sendo necessário trabalhar limites, escolhas, vontades, entre outros tópicos relacionados ao ato de comer.
O método de coaching comportamental tem como proposta mudanças definitivas através de técnicas já comprovadas na forma de como nos relacionamos com a comida, ansiedade e organização, com o objetivo de trazer saúde, qualidade de vida e bem estar.

Conheça mais sobre o colesterol e suas funções

emagrecer

Embora muitas pessoas achem o colesterol uma substância maléfica, ele é primordial para o funcionamento do corpo humano. Para isso, no entanto, seus níveis devem estar sempre controlados. Confira, abaixo, 10 Coisas que Você Precisa Saber sobre Colesterol:

  1. O colesterol é um tipo de gordura (lipídio) encontrado naturalmente em nosso organismo. Ele é fundamental para o funcionamento normal do organismo, sendo o componente estrutural das membranas celulares em todo nosso corpo. Ele está presente no cérebro, nervos, músculos, pele, fígado, intestinos e coração.
  2. O corpo humano utiliza o colesterol para produzir vários hormônios, vitamina D e ácidos biliares que ajudam na digestão das gorduras. Cerca de 70% do colesterol é fabricado pelo nosso próprio organismo, no fígado, enquanto que os outros 30% vêm da dieta.
  3. Existem dois tipos de colesterol. O HDL é chamado de “colesterol bom” pois forma uma classe de lipoproteínas que ajuda a carregar o colesterol do ateroma dentro da artérias, e transportá-lo de volta ao fígado para ser excretado. Já o LDL, chamado de “colesterol ruim”, transporta o colesterol de células que mais produzem do que usam, para as células que mais necessitam. É considerado ruim pela relação que existente do alto índice de LDL com doenças cardíacas.
  4. Quando em excesso (hipercolesterolemia), o colesterol pode se depositar nas paredes das artérias, que são os vasos que levam sangue para os órgãos e tecidos, determinando um processo conhecido com arteriosclerose. Se esse depósito ocorre nas artérias coronárias, pode ocorrer angina (dor no peito) e infarto do miocárdio. Se ocorre nas artérias cerebrais, pode provocar acidente vascular cerebral (derrame).
  5. Manter uma vida saudável, praticando exercícios físicos e evitando comer alimentos gordurosos ajuda a evitar o alto colesterol. Parar de fumar também é uma atitude que ajuda a neste controle.
  6. Gema de ovo, bacon ou toucinho, carne de frango com pele, torresmo, manteiga, creme de leite e nata, frituras, salsicha, salame e lingüiça e carnes de animais são os principais alimentos que contém uma significativa quantidade de colesterol.
  7. O aumento no nível de colesterol no sangue não costuma ter sintomas. Em casos excepcionais, aparecem os chamados xantomas, que são sinais decorrentes do acúmulo do colesterol na pele. Quando o aumento do colesterol atinge níveis muito altos, pode haver um aumento no fígado, no baço e sintomas de pancreatite.
  8. As taxas de colesterol apontadas em exames se referem à soma do bom colesterol (HDL) com o mau colesterol (LDL). Essa taxa é considerada boa quando está abaixo de 200, suspeita quando está entre 201 e 239 e elevada quando está acima de 240;
  9. Há três causas para a alteração do colesterol. A primeira é o fator genético, quando o indivíduo possui genes que determinam essa alteração. A segunda é a alimentação. Quem ingere alimentos gordurosos, com alto índice de colesterol, têm mais chances de sofrer com taxas altas. A última possível causa são doenças, como hipotireoidismo, diabetes e doenças nos rins.
  10. Para fazer uma dieta visando o controle do colesterol, prefira leite e iogurte desnatados, queijo branco fresco, ricota, “cottage”, queijos “light”, peixes, aves sem pele, carnes magras, inhame, macarrão, pães, bolachas de água e de água e sal, evitando sempre gordura em excesso. O tratamento das alterações do colesterol deve ser mantido por toda a vida. Tanto os cuidados com a alimentação e exercícios, como o uso de medicamentos, deverão ser empregados por tempo indeterminado.

 

Fonte: endocrino.org.br

Fique atento: 7 pegadinhas sobre o colesterol

colesterol

1. Colesterol é sempre ruim

Nada disso. “O colesterol é uma molécula fundamental que participa da formação da membrana das células, na produção de hormônios sexuais e de bile, fluido que ajuda na digestão”, diz Andrei Carvalho Spósito, diretor da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo. Ele é levado às células por uma partícula produzida no fígado chamada LDL (conhecida como colesterol ruim), que é uma espécie de carteiro que conduz o colesterol pelo organismo. A LDL ganhou fama de ruim porque, quando há algum fator de risco (como obesidade), o organismo impede que ela faça o transporte do colesterol, acumulando-se nos vasos sanguíneos. Isso provoca uma inflamação. Então, quando o exame de sangue diz que o índice de LDL está alto, é sinal de perigo: uma veia ou artéria pode entupir (já que há acúmulo de LDL) e causar infarto e AVC.

2. Toda pessoa que infarta tem colesterol alto

Não necessariamente. “Pacientes com outros fatores de risco, como hipertensão, mas com níveis de colesterol normais, também podem ter o problema”, diz o cardiologista Francisco Antônio Fonseca, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Por isso, quem já teve um infarto ou fatores de risco deve manter a taxa de LDL baixa.

3. Dá para sentir se o colesterol está alto

Não. Em geral, só se descobre o descontrole do nível de colesterol ao sofrer um AVC ou infarto. Aí é tarde demais! Por isso, é importante ir ao médico. Segundo Spósito, a primeira dosagem de colesterol deve ser feita aos 10 anos. A segunda, entre os 20 e 30. Após os 40 anos, os exames devem ser anuais. “É claro que, para quem tem histórico na família, os exames devem ser frequentes”, diz.

4. Pode-se tratar o colesterol só com mudança de hábitos

Nem sempre. Ter um estilo de vida saudável – alimentar-se bem e fazer atividades físicas regulares – é importante para combater o problema e os outros fatores de risco, mas alguns pacientes também precisam tomar medicamentos (às vezes, pelo resto da vida) para controlar os níveis de colesterol.

5. A genética não influencia o colesterol

Balela! O descontrole das taxas de colesterol é muito influenciado pelo DNA. É por isso que pessoas com hábitos saudáveis podem ter colesterol alto, enquanto outras comem de tudo e o exame é exemplar. “Ter pais com a doença aumenta as chances de ter o problema também”, fala Spósito.

6. Fumar não tem nenhuma relação com colesterol

Não é bem assim. “O cigarro não influencia nas taxas de LDL, mas diminui os níveis de HDL, responsável por tirar o colesterol das paredes dos vasos”, diz Fonseca. Ou seja, os fumantes têm mais chances de ter os vasos sanguíneos entupidos de qualquer forma.

7. Atividade física reduz o colesterol ruim

Não diretamente. Fazer exercícios não diminui as taxas de LDL. Porém aumenta o HDL (colesterol bom), deixa a saúde em dia e afasta a hipertensão, o diabetes e a obesidade, que podem levar a um infarto ou AVC.

 

 

Fonte: mdemulher.abril.com.br

Comer cereais matinais aumenta expectativa de vida

cafe da manha saudavel

Um levantamento feito pela Breakfast Cereal Information Service, entidade que reúne fabricantes de cereal no Reino Unido, descobriu que o aumento na ingestão de fibras está associado a menores taxas de mortalidade. Os resultados foram publicados dia 17 de Outubro no site da instituição.

O estudo acompanhou 452.717 mil pessoas na Europa durante 12 anos e sete meses, que responderam a questionários para avaliar a quantidade de fibras que elas ingeriam. Durante esse período, foram registradas 23.582 mortes. Analisando a relação entre o consumo de cereais e mortalidade, os cientistas descobriram que a ingestão de fibras foi associada a maiores índices de expectativa de vida no geral, bem como com menores ocorrências de doenças dos sistemas circulatório e digestivo.

Estudos anteriores mostram que o consumo de cereais no café da manhã fornecem boas quantidades de micronutrientes, fibras, proteínas e carboidratos com baixos índices de gorduras. De acordo com os autores da pesquisa atual, os cereais matinais fornecem a quantidade total de fibras que deve ser consumida diariamente. O alimento pode ainda ser fonte de cálcio, quando consumido com leite.

A relação entre ingestão de fibras e aumento da longevidade pode acontecer porque elas ajudam a manter o intestino regulado, fator que contribui para o aumento da longevidade. Quando você estimula o crescimento da flora intestinal benéfica, ela será mais efetiva no extermínio de bactérias que entram em nosso organismo por meio da alimentação.

Inclua mais fibras na alimentação e aproveite os benefícios

Apesar de as fibras apresentarem diversos benefícios conhecidos para a saúde, apenas 32% da população brasileira consome as quantidades adequadas, de acordo com a Pesquisa de Orçamentos Familiares do IBGE, publicada em julho de 2012. Segundo as recomendações Organização Mundial da Saúde, a ingestão de fibras recomendada ao adulto é de 20 a 30g diariamente. Confira dicas de especialistas de como incluir esse nutriente na rotina e aproveitar todos os seus benefícios.

Leite com cereal

Acrescentando o cereal ao seu leite matinal, você também está adicionando fibras insolúveis. Os cerais, principalmente os integrais, são os campeões quando o assunto é esse nutriente.

Alimentos integrais

De acordo com a endocrinologista e nutróloga Ellen Paiva, os alimentos integrais possuem mais grãos. Por isso, são mais ricos em fibras insolúveis e aumentam a saciedade, ajudando a dieta e trazendo benefícios à saúde. “Não há, entretanto, a necessidade de trocar todos os carboidratos por integrais, basta consumir uma porção por dia”, explica Ellen.

Investir no arroz e feijão

As fibras e a proteína vegetal presentes no feijão são imbatíveis tanto no quesito nutricional quanto na riqueza em fibras. Já o arroz possui várias vitaminas do complexo B, carboidratos, cálcio, folato e ferro. Se a sua intenção é colocar ainda mais fibras no prato, prefira a versão integral desse alimento.

Prato colorido

Além de enriquecer o seu cardápio com fibras solúveis, você ainda está enchendo-o de saúde. “A variedade de cores representa variedade de nutrientes, principalmente vitaminas e minerais”.

Fruta de sobremesa

Essa é uma opção muito nutritiva e saborosa para a sobremesa, além de ser rica em fibras solúveis. Invista na criatividade ao prepará-las: podem ser acompanhas de aveia, granola, semente de linhaça ou outros grãos, que acrescentam ainda mais fibras ao lanche.

Comer o bagaço e a casca das frutas

A maior fonte de fibras das frutas está no bagaço e na casca. De acordo com a nutróloga Ellen Paiva, o negócio é investir principalmente no bagaço da laranja e na casca da maçã, que possuem muitas fibras e vitaminas. “A maior parte da vitamina C da maçã fica em sua casca”.

 

 

Fonte: minhavida.com.br

 

Carboidratos, muita energia para você

Alimentos-ricos-em-proteina1-615x340

Famosos pela energia que oferecem ao corpo, os carboidratos carregam consigo um outro carimbo e esse, nem tão positivo: normalmente, eles são apontados como os responsáveis pelas subidas do ponteiro da balança. Confie apenas na primeira parte da afirmação e repense a idéia de cortar os alimentos ricos em carboidratos do menu. O nutriente é, sem dúvida, a melhor fonte de energia para o nosso organismo e relacioná-lo ao aumento de peso é apenas um mito. Cada grama contém 4 calorias, mesmo número apresentado em um grama de proteína. (Mas afinal, o que são calorias? guia/calorias). 
Os carboidratos devem ser predominantes na alimentação. A recomendação é que eles façam parte de 50 a 60% do valor calórico total do cardápio diário, seja para quem quer perder, manter ou ganhar peso .Em uma dieta de 1.400 kcal, por exemplo, a quantidade de carboidratos resultaria em aproximadamente 175 g.

Arroz é uma das fontes do nutriente que oferece energia

Ao eliminar de vez o macronutriente da alimentação, sintomas como dor-de-cabeça, irritação, cansaço físico e mental podem aparecer. O segredo, além de ficar de olho na quantidade, é optar pelos diferentes tipos do nutriente, de acordo com seu objetivo.

Simples ou complexos?

Classificados em simples e complexos, os carboidratos desempenham papéis distintos no organismo. Os primeiros são encontrados nos doces, no leite e nas frutas, têm um teor maior de glicose e, por isso, são digeridos mais rápido. Isso quer dizer que, depois de se deliciar com algum alimento rico em carboidratos simples, você não demora a sentir fome novamente. As frutas, por também serem ricas em vitaminas, fibras e sais minerais, são as melhores opções para obter essa variação do nutriente.
Já os complexos garantem uma saciedade prolongada por terem digestão mais lenta. Encontrados nos cereais, arroz, pães e massas, eles são ainda mais eficientes quando obtidos pela versão integral, pois as fibras colaboram para que o estômago demore mais tempo para pedir comida. (Além de ser rica em fibras, a aveia esconde muitas outras vantagens).
E a classificação do nutriente não pára por aí. Os carboidratos simples e complexos se dividem em subgrupos, que levam nomes diferentes por causa da quebra que sofrem após o início do processo digestivo. Confira as características de cada um.

Atente às armadilhas

Frutas são mais opções para encher o prato de disposição

A soma de calorias, porém, está longe de ser a única ferramenta para montar o cardápio adequado. A especialista do Minha Vida alerta que as calorias são apenas um item a ser considerado na elaboração de uma dieta. Também é preciso prestar atenção na quantidade de macronutrientes (carboidratos, proteínas e gorduras) e de micronutrientes (vitaminas e sais minerais). Só somar as calorias não significa que a alimentação seja adequada .

Dissacarídeos
Dentro do grupo dos carboidratos simples, os dissacarídeos se dividem em sacarose, lactose e maltose.
A sacarose é o açúcar de mesa. Também é encontrada na cana-de-açúcar, na beterraba, no xarope de milho, nos legumes, nas frutas e no mel. Durante o processo digestivo, ela é convertida em glicose e galactose, denominadas como monossacarídeos (leia abaixo). O leite e seus derivados são fontes da lactose, que, na digestão, também dão origem à glicose e à galactose. A maltose não é encontrada na forma livre dos alimentos. Ela é obtida através da quebra de grandes moléculas de amido e, em seguida, reduzida a duas moléculas de glicose.

Monossacarídeo
Também participantes do grupo dos carboidratos simples, os monossacarídeos são representados pela glicose, galactose e frutose.A glicose está presente em grande quantidade nas frutas, no xarope de milho, nos legumes e no mel. Trata-se de uma ótima fonte de energia, já que o sistema nervoso central, muitas vezes, conta apenas com ela para oferecer pique ao corpo. Enquanto a frutose desempenha um papel semelhante e é encontrada em abundância nas frutas. A galactose, por sua vez, surge a partir do processo digestivo da lactose, presente no leite e seus derivados.

Polissacarídeos
Representados pelo amido, pelo glicogênio e pelas fibras alimentares, eles são o time mais famoso dos carboidratos complexos.

O amido é obtido somente pela ingestão dos vegetais. Já o glicogênio não é adquirido por nenhum alimento. Eles são uma forma de estocagem natural de carboidratos, no fígado e nos músculos. Por não serem digeridas pelo organismo, as fibras somam muitas vantagens. Além de auxiliarem no regulamento do intestino, elas não contêm calorias. Conte com as frutas, legumes e verduras para obtê-las.

Oligossacarídeos
Outros participantes do grupo dos carboidratos complexos são os oligossacarídeos. Para recorrer a eles, coma aspargo, alcachofra, banana, trigo, soja e mel. Uma de suas representantes é a maltodextrina, obtida pela quebra dos amidos. A substância é conhecida pela capacidade de substituir o açúcar, somando o benefício de ser menos calórica (cada grama apresenta 1,5 caloria contra 4 da mesma quantidade de sacarose).

A maltodextrina também é famosa entre o pessoal que pega pesado na atividade física. Quando os exercícios são de longa duração (levam mais de 90 minutos), ela é recomendada em gel ou pó e é garantia de pique para os praticantes. A quantidade depende da intensidade e duração dos exercícios, mas o indicado é que a concentração da substância no líquido varie entre 5 a 8%. Para um atleta que ingere 750 ml de água a cada hora que se exercita, por exemplo, indica-se 30 g de maltodextrina. Mas somente um especialista em nutrição esportiva é capaz de fazer o cálculo para cada nível de atividade física.

 

Fonte: minhavida.com.br